Membros do ‘tribunal do crime’ e do PCC são presos em Piracicaba

Publicado no dia 06/12/2017 às 13:50Por: Redação - PIRANOT / PORJUCA

Foto: Divulgação

O departamento de homicídios da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Piracicaba, através do delegado Fábio Rizzo de Toledo, prendeu três suspeitos de integrar o temido ‘tribunal do crime’ na cidade nesta manhã (06).

De acordo com a delegacia, no dia 19 de outubro um jovem de 21 anos foi encontrado morto no bairro Godinho, zona norte. Os investigadores descobriram que ele foi espancado até a morte por membros do PCC (Primeiro Comando da Capital) por supostamente ter mexido com uma menina de sete anos.

Durante essas semanas, descobriu-se que a vítima não teria cometido tal delito e que a condenação não seguiu os ‘padrões’ exigidos pela quadrilha que estava cobrando dos três presos explicações.

Com base em informações sobre os suspeitos, mandatos de prisão e busca e apreensão de objetos e documentos foram expedidos pela justiça. Com isso, as casas deles foram revistadas em uma operação que contou com o apoio do GOE (Grupo de Operações Especiais), DISE (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes), PM (Polícia Militar), Força Tática e canil.

Foto: Divulgação

As prisões

Na primeira casa, no Jardim São Paulo, um suspeito foi detido com um revólver calibre 38 com numeração suprimida. Oito munições foram apreendidas no local, assim como anotações diversas sobre a organização criminosa e R$ 2.580 em espécie.

Na residência do segundo, essa no Bosque dos Lenheiros, 27 porções de cocaína e um pedaço de maconha foram encontradas com ele que também foi detido. Indagado, o mesmo indicou aos policiais onde era o seu barraco na favela Frederico onde a vítima foi julgada e morta. Neste espaço, mais três pedaços de maconha e um tijolo da mesma droga foram localizados pelo cão Aruk.

Foto: Divulgação

O terceiro detido também estava em sua casa, no Bosque. Em um galpão dele, no Mário Dedini, 415 porções de cocaína e 244 porções de crack embaladas para venda foram encontradas.

Qual sua opinião? Comente!