Morte da vereadora Madalena completa um ano em Piracicaba (SP)

Morte da vereadora Madalena completa um ano em Piracicaba (SP)

Às 07h59 do dia 07 de abril de 2021, um ano atrás, o PIRANOT entrava em plantão para informar que a vereadora Madalena, primeira travesti eleita na cidade, havia sido assassinada por não aceitar entregar o comando do bairro que vivia para um casal homossexual que promovia atividades relacionadas ao tráfico de drogas.

Foto: Reprodução/Facebook

A data triste não deve passar em branco. Nesses 365 dias, um documentário e um mural foram feitos em homenagem à parlamentar, conforme nosso jornal noticiou anteriormente.

Morte

Madalena foi encontrada morta em sua residência no início da madrugada do dia 07 de abril de 2021, no bairro Boa Esperança, em Piracicaba (SP). Segundo as informações da Polícia Militar, o corpo foi encontrado no sofá com sinais de morte violenta. Madalena tinha 64 anos e se tornou a primeira travesti eleita vereadora na história da cidade.

O óbito foi constatado ainda no local pelo Dr. Ronaldo Moschini. Ela foi assassinada violentamente, sua cabeça apresentava diversos ferimentos.

O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML). O caso foi registrado como homicídio e encaminhado para o Departamento Estadual de Investigações Criminais (DEIC) de Piracicaba (SP).

Dias depois, os assassinos de Madalena foram presos pela Polícia Civil.

Vereadora

Madalena foi eleita vereadora no pleito de 2012, quando recebeu 3.035 votos e teve o segundo melhor desempenho do seu partido nas eleições, tendo atuado junto ao Legislativo de forma a defender os interesses da população mais carente da cidade.

Atuando como líder social e comunitária por mais de 25 anos no bairro Boa Esperança, Madalena foi um exemplo de luta e superação pessoal e profissional, tornando-se uma figura simbólica que, com alegria e simplicidade, cativou para sempre um lugar no coração dos piracicabanos.

Informar Erro

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo.

Leia também