Piracicaba (SP) tem saldo positivo de mil vagas de empregos em fevereiro

Segundo pesquisa divulgada nesta terça-feira (30), pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados)

Pelo segundo mês consecutivo, Piracicaba (SP) mostra sinais de aquecimento na economia, mediante aumento de contratações com carteira assinada no município. Segundo pesquisa divulgada nesta terça-feira (30), pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), os setores que mais contrataram em fevereiro foram Serviços, Indústria, Comércio e Construção, sendo os responsáveis pelo saldo positivo de abertura de 1.117 empregos no mercado de trabalho formal. Vale a pena lembrar que em janeiro, o saldo positivo foi de 855 vagas, enquanto que durante todo o ano de 2020 o saldo permaneceu negativo em 675 vagas.

Foto: Divulgação/Prefeitura de Piracicaba

Quem mais contratou nesse período foi o segmento de Serviços, com a criação de 1.713 postos de trabalho com carteira assinada, seguido da Indústria, com 1.296 vagas, Comércio com 1.249 e Construção com 283.

Ainda segundo o Caged, em relação ao grau de instrução, 698 vagas foram abertas para quem tinha o Ensino Médio Completo, enquanto que 210 vagas foram disponibilizadas para quem possuía Ensino Superior Completo. A faixa etária mais beneficiada em fevereiro com as contratações foi aquela com idade entre 18 e 24 anos, com a criação de 460 vagas, seguida do grupo com idade entre 30 e 39 anos, com 309 vagas.

Segundo o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo (Semdettur), José Luiz Guidotti Jr., os números positivos mostram a vocação natural de Piracicaba como polo industrial, apresentando também um ambiente favorável e propício para o segmento de Serviços.

Ele ressaltou ainda que os segmentos do Comércio e Construção, com índices negativos em janeiro, tiveram saldo positivo em fevereiro, o que mostrou naquele momento a recuperação da economia local, mas que acabou se frustrando devido à chegada da segunda onda da pandemia do Coronavírus.

REALISTA –  Para Guidotti Jr.,  a atividade econômica de maneira geral sofrerá bastante até o final de  abril, com a piora da pandemia. “A partir de maio, o ritmo da vacinação deve acelerar, com o número de mortes e internações caindo sensivelmente na virada do semestre. Os setores mais beneficiados nesse momento de recuperação serão aqueles ligados ao dia-a-dia da família, como alimentação, turismo, transporte, serviços, pessoas e educação. O nosso PIB deve dar um salto no terceiro quadrimestre de 2021”, espera o secretário municipal.

Informar Erro
Leia também