Connect with us

Piracicaba

ONG de Piracicaba promove evento com apologia a organização terrorista

Redação - PIRANOT / PORJUCA

Published

on

A ONG Casvi, ligada aos direitos LGBTQI+ em Piracicaba e organizadora da Parada do Orgulho Gay local, se envolveu em uma grande polêmica após promover um evento onde houve apologia a organização terrorista Ku Klux Klan (KKK), conhecida por perseguir, torturar e matar milhares de negros e quem os defendiam no século XIX.

Foto: Reprodução/Facebook

Segundo uma postagem no Facebook, em um evento do dia 26 de outubro, uma festa de Halloween, uma drag queen teria feito uma performance que lembrava a atuação da KKK. Ela não foi identificada.

10 dias após a apresentação e com a repercussão nas redes sociais, entidades locais e de outras partes do Brasil e do mundo criticaram a ONG Casvi pelo evento e a não interrupção da apresentação. O caso deve parar na polícia e ser investigado como apologia e crime de racismo.

Em entrevista a um jornal impresso, um representante da Casvi disse que não sabia do teor da apresentação e que optou por não censurar a apresentação ‘artística’. Com isso, mais uma vez, volta-se ao centro do debate até que ponto certas coisas é cultura ou não.

Além das criticas, a cantora Urias, escudeira de Pablo Vittar, cancelou o show que faria no domingo durante a Parada LGBTQI+ de Piracicaba.

Protesto

Nesta sexta-feira (08), um protesto foi marcado às 16 horas na sede da ONG Casvi, Rua Aquelíno Pacheco, 512, em Piracicaba, contra a apresentação da drag queen. O ato acontecerá durante o Encontro Estadual do Fórum LGBT.

O que é a KKK

A Ku Klux Klan é uma organização terrorista que surgiu nos Estados Unidos ainda no século XIX, logo depois da Guerra Civil Americana. Criada como uma diversão pelos seus organizadores, a Klan tornou-se um grupo que promoveu o terror no sul dos Estados Unidos. Perseguia, espancava e assassinava negros libertos e pessoas que defendiam os direitos civis para os afro-americanos.

Ficou muito conhecida por enforcar suas vítimas e promover incêndios criminosos em casas que eram habitadas por negros. Os membros da Klan utilizavam uma roupa macabra para espantar suas vítimas e também para esconder suas identidades, como fez na apresentação a drag queen, cuja identidade é desconhecida até o momento. A partir da década de 1920, passaram a incendiar cruzes, o que ampliou o ar macabro da organização.

*** Com informações do site A História do Mundo (https://www.historiadomundo.com.br/curiosidades/ku-klux-klan.htm).

Fundado em 18 de novembro de 2011, o Jornal PIRANOT é uma marca da Empresa Júnior Cardoso LTDA. Aqui, notícias de Piracicaba são prioridades. Confira tudo o que acontece de mais importante na cidade em tempo real. Jornalismo 24 horas de plantão.

error: Este conteúdo está protegido por direitos autorais.