Connect with us

Eleições

MP pede cassação de direitos políticos de Barjas e Ferrato

Published

on

Foto: Divulgação / Prefeitura de Piracicaba

O Ministério Público (MP), mais uma vez, denúncia improbidades administrativas nos governos do PSDB em Piracicaba que atinge o ex-prefeito Barjas Negri e o atual Gabriel Ferrato. Como condenação, o promotor João Carlos de Azevedo Camargo pede a cassação dos direitos políticos dos dois e multa que ultrapassa R$ 30 milhões.

O MP acusa os políticos de em 2008 terem firmado contrato com a empresa Serget após concorrência pública, durante o governo Barjas, para prestação de serviços de engenharia de trânsito, com sinalização de solo, horizontal e semafórica. O ministério acredita que a vencedora da licitação recebeu vantagens e também que o edital tinha exigências que só ela poderia atender. Um dos métodos usados para isso foi colocar em um único edital três tipos de serviços diferentes juntos o que afastou as concorrentes. O processo licitatório também teria sido encerrado antes da data divulgada.

O contrato assinado por Barjas havia sido rejeitado pelo TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo) que julgou irregular esta licitação.

O MP questiona ainda seis aditamentos do contrato, quatro de Barjas e dois de Ferrato. Juntos, eles custaram aos cofres públicos da cidade cerca de R$ 20,7 milhões. Todos foram julgados irregulares pelo TCE.

Atualmente a Serget, que venceu uma outra licitação feita por Ferrato, continua prestando serviços na cidade.

O ministério pede que Barjas pague multa de R$ 27,9 milhões e Ferrato, R$ 3,1 milhões. É pedido ainda que os direitos políticos dos dois sejam suspensos por oito anos. Isso impediria que os tucanos disputassem as próximas eleições que ocorrem em um ano.

O MP solicitou para a justiça, mas não foi atendido, o bloqueio de bens dos dois políticos que agora tem um prazo para apresentar a defesa.

NÃO É A PRIMEIRA VEZ – Barjas e Ferrato já tem um histórico de denúncias movidas pelo MP por casos semelhantes. Em dezembro de 2014 o PiraNOT noticiou que um contrato de R$ 1,37 milhões com a construtora Concivi havia sido denunciado por suspeitas de facilitação na licitação para obras do projeto “Tapa-Buraco”.

Em abril do mesmo ano, cinco obras realizadas por Barjas em 2008 com o valor de R$ 842 mil foram julgadas irregulares pelo TCE.

Uma ponte construída por Barjas ligando o Nova Piracicaba ao Castelinho também teve, pelo TCE, as contas julgadas irregulares.

Embora mostrar todos os erros administrativos nos processos licitatórios, o MP não cita uma investigação afundo de se os políticos teriam recebido benefícios para apresentar editais suspeitos.

FUTUROS CANDIDATOS – Barjas e Ferrato já estão em campanha para as eleições que ocorrem em um ano. O ex-prefeito deve tomar o lugar do atual e sair como candidato pelo PSDB e Ferrato deve sair por outro partido menor. Nos últimos dias o atual prefeito declarou que depois de décadas dentro do partido, ele está se sentindo desrespeitado quando o seu companheiro de sigla iniciou a campanha que, ainda segundo o Chefe do Executivo, é de conhecimento interno de todos os integrantes do PSDB, mas que ninguém comenta ou faz nada para inibir. Em outras palavras, Ferrato está sendo colocado para fora do seu próprio partido.

Diretor, editor chefe e jornalista do PIRANOT. Começou a trabalhar em 2007, aos 14 anos, quando lançou seu primeiro blog na internet. Em 2011, criou o PIRANOT e fez parte, por três anos, de um programa da extinta TV Beira Rio. Iniciou a graduação em jornalismo na Faculdade Isca, de Limeira, e, posteriormente, transferiu-se para a UNIMEP. Cursou assessoria de imprensa pelo SENAC e fez estágio na área na Câmara de Vereadores de Piracicaba. Até hoje teve passagens por duas rádios de Piracicaba.