Connect with us

Notícias

Funcionária de 18 anos sofre importunação sexual em loja do Centro de Piracicaba

Rafael Fioravanti

Published

on

Uma funcionária de 18 anos foi vítima de crime de calúnia e importunação sexual por parte do gerente da loja onde ela trabalha. O caso ocorreu na tarde desta quarta-feira (14), em uma loja da Rua Governador Pedro de Toledo, no Centro de Piracicaba.

A vítima de 18 anos contou que trabalha como operadora de caixa na loja e que o agressor é seu gerente. Ele tem costume de assediá-la desde o dia que a vítima começou a trabalhar no local, tentando toda hora encostar em seu corpo.

A vítima já se queixou disso para a esposa do agressor (que também trabalha como gerente no local), porém, deste momento em diante, tanto o assédio quanto a perseguição se intensificaram. O gerente passa a mão nas nádegas da vítima e a ofende frequentemente perante clientes e funcionários, além de dificultar o seu trabalho.

A humilhação chegou ao limite na tarde desta quarta-feira (14), quando o gerente acusou a vítima de roubar dinheiro do caixa, aos gritos, perante vários clientes e funcionários.

A vítima procurou a Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) às 10h48 desta quinta-feira (15) para lavrar um Boletim de Ocorrência contra seu agressor. Na ocasião, ela foi orientada do prazo de seis meses para representar contra seu gerente, além da possibilidade de fazer uma queixa-crime por crime de injúria.

A DDM investigará o ocorrido.

 

  • TRABALHO: CEPP abre inscrições para 19 cursos profissionalizantes em Piracicaba, clique aqui e veja a lista de cursos.

Rafael é formado em jornalismo (comunicação social) pela Universidade Mackenzie, em São Paulo. Possui experiência em redações e editoras literárias. Integra a equipe do Jornal PIRANOT desde dezembro de 2017.

3 Comments

3 Comments

  1. Avatar

    Anderson

    16 de agosto de 2019 at 08:55

    Se ele já assediava antes pq já não tomou as providências, ou ela estava gostando!!

  2. Avatar

    Camila

    16 de agosto de 2019 at 20:15

    Anderson, as vezes ela sentia medo, ou até mesmo precisava muito do emprego e o salário, pois hoje em dia está muito difícil arrumar serviço, ela deve ter se sentido pressionada e ficou calada perante o assédio pra não perder o serviço… Não podemos julgar sem saber a história dela.

  3. Avatar

    valéria rodrigues sartore

    16 de agosto de 2019 at 20:52

    NÃO PODEMOS JULGÁ-LA,ACHO Q ELA AGUENTOU ATÉ O LIMITE QUE PÔDE, POIS ELA NÃO QUERIA FICAR DESEMPREGADA. MAS COITADA , NÃO TEVE JEITO, TEVE QUE DENUNCIÁ-LO!!!!!!!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Este conteúdo está protegido por direitos autorais.