Connect with us

Brasil

Governo suspende a venda de 32 marcas de azeite de oliva fraudado

Fernanda Maestro

Published

on

O Ministério da Agricultura anunciou nesta quarta-feira (02) a suspensão da venda de mais 32 marcas de azeites de oliva por causa de adulterações no produto.  Em julho deste ano, outras seis marcas já haviam sido suspendidas.

Foto: Reprodução

A decisão foi tomada após equipes de fiscalização encontrarem produtos fraudados ou impróprios para o consumo, como óleos de origem desconhecida, que de acordo com o Ministério da Agricultura, pode ser um risco para o consumidor. O governo afirma que a maior parte das fraudes foi feita com a mistura de óleo de soja e óleos de origem desconhecida.

As marcas que praticaram fraudes foram:

  1. Aldeia da Serra
  2. Barcelona
  3. Casa Medeiros
  4. Casalberto
  5. Conde de Torres
  6. Dom Gamiero
  7. Donana
  8. Flor de Espanha
  9. Galo de Barcelos
  10. Imperador
  11. La Valenciana
  12. Lisboa
  13. Malaguenza
  14. Olivaz
  15. Olivenza
  16. One
  17. Paschoeto
  18. Porto Real
  19. Porto Valencia
  20. Pramesa
  21. Quinta da Boa Vista
  22. Rioliva
  23. San Domingos
  24. Serra das Oliveiras
  25. Serra de Montejunto
  26. Temperatta
  27. Torezani
  28. Tradição
  29. Tradição Brasileira
  30. Três Pastores
  31. Vale do Madero
  32. Vale Fértil

As outras seis marcas suspendidas em julho foram:

  1. Oliveiras do Conde
  2. Quinta Lusitana
  3. Quinta D’Oro
  4. Évora
  5. Costanera
  6. Olivais do Porto

Multa

Os comerciantes do produto, como redes de supermercado, onde foram encontrados os itens irregulares, terão de informar os estoques restantes. Caso se recusem a fornecer informações sobre a presença desses produtos, podem ser autuados.

A empresa pega vendendo produtos das marcas objeto da proibição poderão ser denunciadas ao Ministério Público Federal e responsabilizadas criminalmente, bem como punidas com multas de R$ 5 mil por ocorrência.

Alertas aos consumidores

O Ministério da Agricultura alerta os consumidores a desconfiar de azeites muito baratos, pois há boas chances de adulteração. Segundo o órgão, em geral o item custa em torno de R$ 17, enquanto exemplares falsificados são comercializados por entre R$ 7 e R$ 10.

Jornalista formada pela Universidade Metodista de Piracicaba. Trabalhou em campanhas políticas e estagiou na Câmara de Vereadores de Piracicaba. Atualmente, integra a equipe dos jornais PIRANOT e PORJUCA.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Este conteúdo está protegido por direitos autorais.