Connect with us

Opinião

“Irmão Jumento”

.

Redação - PIRANOT / PORJUCA

Published

on

Dizem que São Francisco chamava seu corpo de “irmão jumento”. Tratou-o a pão e água durante a vida toda. Não lhe deu moleza. Sua meta era Deus e sabia que seu corpo, amante da farra, não iria colaborar. Por isso colocou-o na rota desse objetivo, dominando-o e fazendo dele seu servo. Somente no final reconheceu ter sido duro em demasia com seu ‘irmão’.

Não importa aqui discutir o comportamento do santo, mesmo porque nunca saberemos o conceito de Deus que trazia na cabeça. Certo ou não, se não tivesse tido a radical atitude de abandonar a vida fútil que levava, provavelmente não teria se tornado um dos homens mais influentes da História. Alguém se lembra de algum glutão ou beberrão que tenha servido de exemplo?

No meio religioso foi corrente a ideia de que o corpo seria uma espécie de prisão da alma; um inimigo do espírito; um empecilho à salvação; por isso, cabresto nele. Hoje, predomina a ideia de que somos um ser único e nosso corpo reflete nosso espírito. “A lâmpada do corpo é o teu olho. Se teu olho estiver são, todo teu corpo ficará também iluminado; mas se ele for mau, teu corpo também ficará no escuro. Por isso, vê bem se a luz que há em ti não é treva. (Lc 11, 34–36). De qualquer modo, não há como negar que o comportamento de Francisco nos incomoda.

Pessoas que vieram para serem frondosas e frutíferas árvores, por falta de disciplina acabaram arbustos. A falta de autocontrole fez muitos perderem talentos que poderiam tê-los feito felizes e melhorado o mundo. Quantos deixaram de plenificar-se como pessoas porque curtiram mais a preguiça que os sonhos. Mimados da mamãe se deixaram levar por impulsos e acabaram perdendo liberdade, nome, respeito e até a vida. Muitos políticos poderiam entrar para a História como brilhantes estadistas, porém, não resistiram à bajulação, à ilusão do poder e à cobiça. Relacionamentos promissores viraram cinzas porque o ciúme falou mais alto e muitos perderam a saúde por comer o que gosta e não o que é bom.

Segundo Kobo Abe, romancista e dramaturgo japonês (1924-1993), “A liberdade não consiste só em seguir a sua própria vontade, mas às vezes também em fugir dela”. Não tem como viver em sociedade e satisfazer todas as nossas vontades. Aliás, o ser humano equilibrado é aquele que toma posse de si e tem domínio sobre seus desejos, mesmo os mais legítimos, afinal dependemos uns dos outros, já que sozinhos voltaremos às cavernas. É a convivência que nos civiliza.

“Vencer a si próprio é a maior das vitórias”. (Platão, filósofo grego 428/348). E a maior das derrotas é ser dominado pelos próprios instintos. O derrotado não aceita ficar para trás. Ergue muro, bota cerca e não se importa se ar-condicionado do seu quarto esquenta ainda mais o já insuportável calor dos que estão fora, e nem se seu modo de vida prejudica a maioria. Consumidor voraz, o derrotado custa caro para a sociedade. Por causa dele temos leis que punem até gente boa.

Vence a si próprio quem recusa regalias enquanto seus companheiros nem o básico têm; quem não aceita preferência e nem tira proveito dos outros; quem enquadra seus defeitos e corta vícios para não ser pesado a ninguém; quem não faz concessões ao mal e nem abandona companheiros para salvar a própria pele; quem da tarefa vê o todo a ser feito e não somente sua parte; quem cede a vez, não buzina no ouvido do outro, tolera erros por saber que os seus podem ser maiores; quem luta pelo bem de todos por saber que é impossível ser feliz sozinho. O vencedor coloca-se por último porque esse lugar não desperta inveja. É o lugar dos sábios já que a tendência é subir enquanto o passo seguinte de quem está no topo é a queda.

“Quer pouco, terás tudo. Quer nada, serás livre”. (Fernando Pessoa).

.

ANTONIO CARLOS DANELON é assistente social e morador de Piracicaba. ([email protected])

.

VOCÊ NO PIRANOT – Para participar da coluna “Opinião do Leitor” envie sua carta para [email protected] com o nome da coluna no campo assunto.

O PIRANOT não se responsabiliza pelo conteúdo e opiniões contidas nesta coluna, assim como elas não refletem necessariamente a posição e a linha editorial do portal de notícias sendo a mesma de total responsabilidade de quem a escreveu.

Fundado em 18 de novembro de 2011, o Jornal PIRANOT é uma marca da Empresa Júnior Cardoso LTDA. Aqui, notícias de Piracicaba são prioridades. Confira tudo o que acontece de mais importante na cidade em tempo real. Jornalismo 24 horas de plantão.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Este conteúdo está protegido por direitos autorais.