Dados parciais indicam forte piora do desemprego em março, diz OCDE

ANA ESTELA DE SOUSA PINTO
BRUXELAS, BÉLGICA (FOLHAPRESS)

CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE

Foto: Divulgação

Os países europeus mais atingidos pela pandemia de coronavírus os que tinham maiores índices de desemprego antes que ela começasse, e a tendência é de piora acentuada, mostram dados divulgados nesta quinta (9) pela OCDE (organização que reúne 36 das principais economias globais).

Espanha, Itália e França, que registraram o maior número de mortes até agora Europa, fecharam fevereiro com taxas de desemprego de 13,6%, 9,7% e 8,1%, respectivamente.

- Continue depois da Publicidade -

Segundo a organização, dados já disponíveis em alguns países indicam que haverá forte aumento de desemprego em março, quando o crescimento dos casos da doença forçou os países a implantarem quarentenas.
Nos Estados Unidos, a taxa de desemprego medida até o dia 14 do mês passado mostrou forte deterioração para jovens de 16 a 24 anos, com a porcentagem de desempregados passando de 7,7% para 10,3%.

Na média, o desemprego subiu 0,9 ponto percentual nos EUA, para 4,4%. Os sinais são de piora progressiva no final de março, diz a organização: na semana que terminou em 28 de março, 6,6 milhões de pessoas se registraram para receber seguro desemprego, número 20 vezes maior que o da semana anterior.

O fenômeno foi verificado também em países europeus. Na Noruega, o número de registros de desempregados se multiplicou por cinco em março, e na Áustria quase dobrou.
Nos dados fechados, que vão até fevereiro (antes do impacto da pandemia), houve leve recuo do desemprego na média dos países da OCDE, de 5,1% para 5%.

A organização alertou nesta quinta que a capacidade dos escritórios nacionais de estatística de produzir dados de alta qualidade está sendo afetadas pelas quarentenas, o que deve dificultar análises futuras.

Informar Erro

- Continue depois da Publicidade -

Leia também

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento.

Prosseguir