Paulinho, vocalista do Roupa Nova, morre aos 68 anos no Rio de Janeiro

Ele estava internado na UTI, onde fazia tratamento para se recuperar de complicações da Covid-19

O cantor Paulo César Santos, o Paulinho, vocalista do Roupa Nova, morreu na noite desta segunda-feira (14), aos 68 anos. Ele estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Copa D’or, na Zona Sul do Rio de Janeiro, onde fazia tratamento para se recuperar de complicações da Covid-19.

Uma foto do cantor Paulinho da banda Roupa Nova
Foto: Reprodução

A informação da morte foi confirmada pela assessoria de imprensa da banda e pela unidade de saúde.

Paulinho foi diagnosticado com coronavírus enquanto se recuperava de um transplante de medula óssea que havia feito em setembro para tratar um linfoma – no procedimento, foram utilizadas as próprias células do paciente, que respondeu bem ao tratamento. No entanto, em novembro, ele precisou ser novamente internado, desta vez com Covid-19.

O Roupa Nova vinha atualizando com frequência o estado de saúde do cantor. De acordo com a assessoria de imprensa do grupo, o artista, que permaneceu intubado por mais de um mês, chegou a apresentar “melhora constante”, mas depois seu quadro se agravou.

Na tarde desta segunda-feira (14), horas antes de ser confirmada a morte do vocalista Paulinho, a banda havia comunicado que ele estava em “estado delicado” e precisava de “cuidados mais específicos”.

Carreira

Com uma voz potente e marcante, Paulinho cantava como vocalista principal em diversas músicas do grupo Roupa Nova, incluindo hits marcantes como “Canção de Verão”, Clarear, “Sensual” (na versão original de 1983), “Volta pra Mim”, “Whisky a Go-Go” (na versão “ao vivo”, no álbum “Agora Sim”, no Roupacústico I e no álbum Roupa Nova 30 anos), “Linda Demais”, “Meu Universo É Você”, “Vício”, “De volta pro futuro”, “Chama”, “Asas do Prazer”, “Os Corações não São iguais”, “Maria Maria”, “Felicidade”, além de canções mais recentes como “À Flor da Pele”, “A Lenda”, “A Metade da Maçã”, “Frio da solidão” e “Já nem Sei mais” ao lado da dupla Chitãozinho e Xororó, “Retratos Rasgados”, “Reacender” ao lado de Ben’s Brother, gravada para o álbum Roupa Nova em Londres, de 2009 e Sonhando Com Os Pés no Chão do álbum Todo Amor do Mundo, lançado no final de 2015.

Outros hits mais recentes foram Luzes de Emergência e Alma Brasileira, presentes no mais álbum As Novas do Roupa lançado em 2019, e o single Noites Traiçoeiras, lançado nas plataformas digitais em 2019.

Além de cantor, Paulinho também ocupava a função de percussionista na banda Roupa Nova.

Com o Roupa Nova, Paulinho já dividiu os vocais com importantes nomes de música nacional e internacional como The Commodores em Esse Tal de Repi Enroll, Ivete Sangalo em O Sal da Terra, Zélia Duncan em Feira Moderna, Elba Ramalho em Fé Cega, Faca Amolada, Marjorie Estiano em Flagra, Ben’s Brother em Reacender, Fresno em Show de Rock’n Roll, Zezé Di Camargo e Luciano em Depende, Marcos & Belutti em Mar de Lágrimas, Tico Santa Cruz em Princípio de Um Novo Tempo e Angélica em Você, O Surf e Eu, entre outros.

Em 2009, devido a problemas de saúde, foi substituído em apenas três shows do Roupa Nova pelo ex-vocalista da banda Rádio Táxi, Maurício Gasperini. Logo se recuperou e voltou à atividade.

Paulinho esteve com o Roupa Nova desde a sua formação original, há mais de 40 anos. Com o grupo, o cantor recebeu em 2009 um dos maiores prêmios da indústria fonográfica, o Grammy Latino de melhor álbum pop contemporâneo brasileiro, categoria em que o Roupa Nova concorreu com nomes como Rita Lee, Ivete Sangalo, Skank e Jota Quest.

Vida pessoal de Paulinho

Era pai de Pepê, baterista da banda Jamz, revelada no programa Super Star da Rede Globo. O cantor também era pai da cantora Twigg que gravou um dueto com o Roupa Nova na canção O Barquinho, presente no álbum duplo comemorativo dos 35 anos de carreira da banda intitulado Todo Amor do Mundo, lançado no final de 2015.

Em agosto de 2020, Paulinho foi diagnosticado com linfoma. Em setembro, o tratamento foi feito através de um transplante de medula óssea autólogo, no qual as células-tronco do próprio paciente são empregadas.

Paulinho nasceu no Rio de Janeiro, em 06 de setembro de 1952 e morreu aos 68 anos, também no Rio de Janeiro, no dia 14 de dezembro de 2020.

Informar Erro
Via G1 Wikipédia
Leia também