Oncologista de Piracicaba alerta que vício do cigarro começa na adolescência

Oncologista de Piracicaba alerta que vício do cigarro começa na adolescência

Presença e orientação da escola, do estado, dos pais e familiares são fundamentais para manter crianças e adolescentes longe do cigarro

Neste Dia Mundial Sem Tabaco, 31 de maio, o oncologista Fernando Medina, do CECAN-Centro do Câncer da Santa Casa de Piracicaba, reforça o apelo às famílias, amigos e parentes de adolescentes para um problema gravíssimo que, geralmente, começa a se estabelecer nesta fase da vida: o tabagismo.

O oncologista Fernando Medina lembra que o tabaco desencadeia sérios problemas de saúde, podendo inclusive levar ao óbito prematuro

“O fácil acesso e o baixo preço dos cigarros, a tentativa de ser aceito por grupos de amigos fumantes, o exemplo de pais e ídolos que fumam e a falsa impressão de maturidade que o cigarro causa, podem levar o jovem a experimentar cigarros, com o risco de se tornar um futuro dependente da nicotina”, alertou o médico ao lembrar que a maioria dos fumantes tem o primeiro contato com o cigarro na escola.

Este cenário, segundo o médico, levou o CECAN a implantar o programa “Vida Sem Cigarro”, com atuação de psicóloga, médico e pneumologista no sentido de estender apoio psicológico e medicamentoso ao paciente tabagista. “Também vamos às escolas, conversar com crianças, jovens e adolescentes na tentativa de evitar que o vício se inicie”, contou. Para o oncologista, é preciso combater o câncer a partir da educação e do conhecimento como molas propulsoras da prevenção.

Ele lembra que o tabaco desencadeia sérios problemas de saúde, podendo inclusive levar ao óbito prematuro, e revela que, assim como qualquer outro vício, largar o cigarro é um desafio complicado e doloroso, principalmente para quem já fuma há muitos anos.

“Além de ser um fator de risco para o aparecimento de problemas físicos, como doenças cardiovasculares, bronquite e câncer, o uso do tabaco pode levar a problemas de saúde mental, como depressão, transtornos de humor e até mesmo esquizofrenia, caracterizada por alterações de comportamento e episódios de psicose”, disse Medina.

O tabagismo é reconhecido como uma doença crônica causada pela dependência à nicotina presente nos produtos à base de tabaco e é, de longe, a maior causa evitável isolada de adoecimento e morte em todo o mundo.

Segundo Medina, a OMS- Organização Mundial de Saúde aponta que o tabaco mata mais de 8 milhões de pessoas por ano no mundo; sendo mais de 7 milhões dessas mortes associadas ao uso direto deste produto e 1,2 milhão em decorrência da exposição ao fumo passivo. “No Brasil, são mais de 160 mil mortes anuais atribuíveis ao tabaco, o que representa 443 mortes por dia”, contabilizou o oncologista.

Ao falar sobre a gravidade do vício, Medina disse que o tabagismo é uma doença que contribui para o desenvolvimento da leucemia mielóide aguda e dos cânceres de  bexiga, pâncreas, fígado, colo de útero, esôfago, laringe e cordas vocais, rins e ureter, cavidade oral e boca, faringe, estômago, intestino grosso, traquéia, brônquios e pulmão.

“Além de estar associada a doenças crônicas não transmissíveis, o tabagismo também contribui para o desenvolvimento de outras enfermidades, como infecções respiratórias, úlcera gastroduodenal, impotência sexual, infertilidade em homens e mulheres, osteoporose e catarata, entre outras”, alertou o médico.

Segundo ele, o custo social associado ao tabaco também é alto. Publicação do Instituto de Efetividade Clínica e Sanitária (IECS) em 2020 estimou que no Brasil as doenças causadas pelo tabagismo custam mais de R$ 125 bilhões ao ano. “Esses custos, na prática, são ainda maiores pois eles não incluem os gastos com ações de prevenção e tratamento para cessação do tabagismo, nem de prevenção e mitigação dos danos sanitários, sociais e ambientais decorrentes da produção de tabaco e do mercado ilegal de tabaco”, considerou Medina.

Informar Erro

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo.

Leia também