Hospital de Piracicaba é acusado de esquecer panos dentro de mulher após parto

Hospital de Piracicaba é acusado de esquecer panos dentro de mulher após parto

Uma mulher de 40 anos, juntamente com o marido de 43, procurou a Polícia Civil de Piracicaba na manhã desta segunda-feira (02) e registou um Boletim de Ocorrência contra o Hospital dos Fornecedores de Cana (HFC). Segundo o casal, a mulher realizou um parto na unidade de saúde e a equipe médica esqueceu “compressa de panos para estancar sangramentos” dentro dela.

De acordo com o B.O, obtido com exclusividade pelo PIRANOT, o marido da vítima noticiou que no dia 02 de junho de 2020, ela foi internada no HFC para dar à luz a filha do casal. Dois dias após o parto, ela teve alta da maternidade e foi transferida para outro setor do hospital, para tratamento de um tumor próximo ao cóccix.

Após todos os procedimentos, a vítima teve alta do hospital e começou a ter dores abdominais, porém eram dores suportáveis. Contudo, o marido contou que as dores foram aumentando e ele levou a mulher até o Posto de Saúde do bairro Parque Piracicaba e os médicos do posto encaminharam a vítima para fazer exames de ultrassom na Santa Casa. Ainda segundo ele, os laudos dos exames apontaram que na cirurgia feita no Hospital dos Fornecedores de Cana, a equipe médica deixou no interior do corpo da vítima objetos do tipo “compressa de panos para estancar sangramentos”.

Os médicos da Santa Casa encaminharam a mulher às pressas para o HFC, onde ela foi internada no dia 12 de abril de 2022 e no dia seguinte da internação foi submetida a uma cirurgia de urgência para retirada dos panos. Ela recebeu alta hospitalar no dia 19 de abril e está sendo atendida por uma médica da unidade.

O marido contou também que pediu o prontuário médico para o HFC, mas o mesmo não foi fornecido pelo doutor que estava representando o hospital.

O outro lado

O PIRANOT entrou em contato com o Hospital dos Fornecedores de Cana e o mesmo informou por meio de nota que “em atenção a referida paciente, a mesma passou por diversos atendimentos ambulatoriais e hospitalares nos anos 2019 e 2020, recentemente em 2022, foi atendida e acolhida pela equipe multidisciplinar.

Com relação as informações a respeito de cirurgias e hipóteses diagnósticas sobre a saúde da paciente, conforme a Lei Geral de Proteção de Dados podem ser repassadas somente à paciente.”, diz a nota.

*** Matéria atualizada às 15h34 para acréscimo da nota do HFC.

 

 

Informar Erro

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo.

Leia também