Polícia encontra R$ 33 mil em canil clandestino e resgata 133 cães Lulu da Pomerânia maltratados

Polícia encontra R$ 33 mil em canil clandestino e resgata 133 cães Lulu da Pomerânia maltratados

Os maus-tratos ocorreram em Limeira, na Região Metropolitana de Piracicaba. O casal proprietário do local foi preso

Equipes da Polícia Civil e da Guarda Civil localizaram e apreenderam R$ 33 mil em dinheiro e resgataram 133 cachorros da raça Lulu da Pomerânia em uma chácara de Limeira (SP), que servia como canil clandestino. Outros três cachorros de outras raças e quatro gatos também foram resgatados. O caso foi na tarde de ontem (13) e o casal proprietário do local foi preso em flagrante.

Foto: Wagner Morente

De acordo com informações, os animais estavam em situação de maus-tratos, sujos, sem comida e aglomerados em meio a fezes e urina. A ação foi realizada após denúncia de vizinhos que reclamavam do mau cheiro e moscas.

A Guarda Civil relatou que os animais estavam presos em vários cômodos da residência e em cercados de um a dois metros, com uma média de 12 cachorros em cada, na parte de fora da casa. No interior da casa, o cheiro insuportável de urina e fezes caracterizava os maus-tratos. Filhotes recém-nascidos também estavam presos em compartimentos de transporte de cachorros. Dentro de uma geladeira com alimentos também foram encontrados medicamentos veterinários, com uso permitido apenas para profissionais, alguns deles estavam vencidos.

Todos os animais resgatados foram levados para cinco Organizações Não Governamentais (ONGs) e serão avaliados por veterinários e higienizados, ficando à disposição da Justiça, que vai definir os destinos finais. A ação de acolhimento recebe apoio de entidades de Limeira, Campinas e Americana.

O setor de Bem-Estar Animal de Limeira, a ALPA (Associação Limeirense de Proteção a Animais ) também estiveram no local. O setor de Zoonoses colheu amostra de água cheia de focos de dengue, fato que coloca em risco uma epidemia no condomínio.

O proprietário do local e sua esposa foram detidos quando chegavam no condomínio e conduzidos à Delegacia de Investigações Gerais (DIG). Eles foram presos em flagrante por crimes ambientais.

Foto: Wagner Morente
Foto: Wagner Morente
Foto: Wagner Morente
Foto: Wagner Morente
Foto: Wagner Morente
Foto: Wagner Morente
Foto: Wagner Morente
Foto: Wagner Morente
Informar Erro

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo.

Leia também