Com medo da guerra na Ucrânia, mulher mata o filho e é presa nos EUA

Com medo da guerra na Ucrânia, mulher mata o filho e é presa nos EUA

Uma mulher russa moradora de Wisconsin, nos Estados Unidos, é acusada de matar o próprio filho de oito anos. Ao ser presa, a assassina contou que tentou impedir que a criança fosse levada para a guerra na Ucrânia durante um surto psicótico.

Foto: Reprodução

Natalia Hitchcock, de 41 anos, vivia tranquilamente com o marido e os dois filhos. No dia 28 de março, em surto, ela tentou afogar o filho mais velho, de 11 anos, durante o banho. No dia 30, matou com uma faca o filho mais novo, de oito anos.

Em depoimento na polícia, a assassina contou que passou a ter surtos ao acompanhar a guerra pela televisão. O quadro teria piorado quando ela não conseguiu agendar passagens aéreas para os pais, que moram na Rússia, e que iriam para os Estados Unidos visitá-la e fugir do país.

Durante os surtos, a mulher chegou a pedir ao marido que abandonasse o emprego e comprasse equipamentos de sobrevivência, além de armas. Ela acreditava estar sendo seguida e vigiada por espiões russos. Nos últimos surtos, ela imaginou que teria os filhos sequestrados para lutar na guerra.

Informar Erro

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo.

Leia também