CASO CAROLINA | Assassino tem "green card" e foi preso tentando documentos falsos

CASO CAROLINA | Assassino tem “green card” e foi preso tentando documentos falsos

Em coletiva na porta do DOPE (Departamento de Operações Policiais Estratégicas), na noite de ontem (30), a delegada de Piracicaba (SP) Olívia dos Santos, que acompanhou a prisão de Anderson dos Santos Andrade, contou que ele tinha “green card”, que é uma espécie de visto que dá ao estrangeiro nos Estados Unidos os mesmos direitos que uma pessoa americana, e tentava documentos com nomes falsos no Detran-RJ quando foi preso. Na ocasião, ele reagiu e agrediu a polícia.

Segundo os detalhes novos, Anderson foi acusado de praticar magia negra e esse seria um dos motivos de Carolina Dini Jorge querer o divórcio. O crime também foi premeditado, segundo a delegada, já que a vítima, com medo do agressor, vinha sendo acompanhada por um amigo quando ia buscar a filha na escola no bairro São Dimas. No dia do crime, esse amigo não estava com ela. O carro que Carolina usava era também de outra pessoa.

Como tinha a nacionalidade americana, porque o casal morou nos Estados Unidos, onde nasceu o primeiro filho deles, que é americano, cogitou-se que Anderson fugiria do país. O assassino também tem um irmão em Londres, na Inglaterra.

Leia as notícias do caso Carolina

Informar Erro

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo.

Leia também