HFC de Piracicaba suspende novos atendimentos de pacientes do SUS por 24h

HFC de Piracicaba suspende novos atendimentos de pacientes do SUS por 24h

Unidade alega excesso na demanda de pacientes do pronto-atendimento do SUS

O Hospital dos Fornecedores de Cana (HFC) de Piracicaba (SP) suspendeu novos atendimentos do Sistema Único de Saúde (SUS) por 24 horas. Na manhã desta terça-feira (22), uma placa colada na entrada do pronto-atendimento comunicava a decisão e pegou os pacientes de surpresa.

Foto: Wagner Romano / PIRANOT

O PIRANOT recebeu ainda a informação de que, por volta das 09h de hoje, havia uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) parada em frente à entrada do atendimento via SUS com um paciente dentro aguardando para ser atendido.

O jornal entrou em contato com o hospital. Leia abaixo na íntegra a nota enviada pela unidade:

“O Hospital dos Fornecedores de Cana de Piracicaba possui uma longa parceria com a Administração Pública no atendimento aos clientes do Sistema Único de Saúde. Com participação ativa na saúde do município, o HFC Saúde atua sempre em parceria com a Central de Regulação De Vagas de Piracicaba (CRV). Entretanto em 21/02/2022 excedemos em 300% a capacidade operacional máxima dos atendimentos no Pronto Atendimento. Dessa forma restringimos inicialmente por 24 horas os novos encaminhamentos de pacientes SUS da CRV a fim de garantir a qualidade e segurança dos pacientes já internados. Estamos construindo junto ao Governo Municipal soluções para melhorias do processo de Referência e Contra Referência com base em protocolos definidos sobre Vaga Zero. Retomaremos o quanto antes os encaminhamentos pela CRV do município”.

O que diz a prefeitura

“A Secretaria de Saúde informa que foi pega de surpresa com a decisão do Hospital dos Fornecedores de Cana em não receber pacientes do Sistema Único de Saúde, sendo uma decisão unilateral por parte da direção do hospital. A Pasta esclarece que, apesar de o hospital atender apenas pacientes da rede pública referenciados por meio da Central de Vagas Municipal e CROSS (governo estadual), ele não pode deixar de atender os pacientes que chegam regulados pela Central ou CROSS, visto que o contrato entre poder público e a instituição filantrópica está vigente e tal prerrogativa do não atendimento pode ser considerado omissão. Pensando em preservar vidas e manter o atendimento na rede pública, a Secretaria vai tomar as devidas providências para que nenhum paciente referenciado fique sem atendimento”.

Foto: Wagner Romano / PIRANOT
Foto: Wagner Romano / PIRANOT
Informar Erro

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo.

Leia também