Três pessoas morrem ao fazer "inalação de cloroquina"; Bolsonaro falou de tratamento ao vivo em rádio

Três pessoas morrem ao fazer “inalação de cloroquina”; Bolsonaro falou de tratamento ao vivo em rádio

Aonde vamos parar?

Três pacientes que passavam por um tratamento experimental (e sem eficácia comprovada) à base de hidroxicloroquina morreram nesta semana, no hospital Nossa Senhora Aparecida, em Camaquã, no Rio Grande do Sul. A instituição investiga as causas das mortes. A médica foi demitida no último dia 10.

Segundo o UOL, as vítimas tiveram pioras dos seus estados de saúde e faleceram entre segunda-feira (22) e ontem (24). Todos estavam sendo nebulizados com uma solução de hidroxicloroquina diluída em soro. A Polícia Civil da cidade abriu um inquérito para investigar o caso.

O tratamento foi recomendado inclusive por Bolsonaro. Segundo o jornal O Estado de São Paulo, o presidente entrou ao vivo na sexta-feira (19), em uma rádio de Camaquã, onde ocorreu as mortes, para impulsionar entre seus apoiadores mais um suposto tratamento sem comprovação científica contra a Covid-19. O produto é um velho conhecido, com nova roupagem.

Além das três mortes, uma quarta pessoa segue internada em estado grave.

*** Com informações do UOL e Estadão

Informar Erro

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo.

Leia também