Piracicaba (SP): força-tarefa impediu festas clandestinas que poderiam reunir mais de 2.000 pessoas

Piracicaba (SP): força-tarefa impediu festas clandestinas que poderiam reunir mais de 2.000 pessoas

Para intensificar a fiscalização, a força-tarefa contou com o apoio da Guarda Civil, Polícia Militar, funcionários da Vigilância Sanitária e Secretaria de Finanças

A força-tarefa criada no município para coibir o desrespeito aos protocolos de prevenção à Covid-19 agiu com rigor no último final de semana, interditando duas festas clandestinas que poderiam reunir mais de 2.000 pessoas em Piracicaba (SP).

Foto: Divulgação/Prefeitura de Piracicaba

Para intensificar a fiscalização, a força-tarefa contou com o apoio da Guarda Civil, Polícia Militar, funcionários da Vigilância Sanitária e Secretaria de Finanças. Por meio de denúncias anônimas, as equipes chegaram até os eventos que seriam realizados no Recanto do Moinho, no bairro Godinhos e em uma chácara no bairro Pau Queimado.

No sábado (23), a força-tarefa recebeu a informação de que uma festa clandestina de grandes proporções (que poderia reunir até 2 mil pessoas) aconteceria no Recanto do Moinho, a partir das 22h. “Enviamos 12 viaturas da Guarda Civil, acompanhadas por uma viatura da PM, que chegaram ao local por volta das 20h e conseguiram interditar o evento antes mesmo que ele começasse”, contou Sidney Miguel Nunes, comandante da Guarda Civil.

Foto: Divulgação/Prefeitura de Piracicaba

No domingo (24), novamente por meio de denúncia anônima, a força-tarefa foi até o bairro do Pau Queimado, por volta das 17h, dessa vez com cinco viaturas da Guarda Civil, e após algumas diligências pelo local, se deparou com uma festa já em andamento em uma chácara, que contava com a presença de aproximadamente 100 pessoas. A interdição aconteceu de maneira pacífica.

“Em ambas as festas, nós interditamos o local e já estamos providenciado um auto de infração. Em casos de reincidência, tanto os promotores da festa como os proprietários dos imóveis onde elas estavam acontecendo, podem ser multados”, disse Clarisse Aparecida Bragantini, coordenadora do Cerest-Piracicaba.

Como denunciar

Sidney Miguel Nunes lembrou que as denúncias anônimas têm sido uma importante ferramenta no combate às festas clandestinas. Segundo ele, esse é um caso de saúde pública, por isso a participação da população tem sido essencial para identificar os locais e horários desses eventos irregulares. As denúncias podem ser feitas pelos telefones 153 (Guarda Civil) e 156 (Serviço de Informação à População).

Informar Erro

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo.

Leia também