Após ameaça de greve, Bolsonaro baixa imposto de pneus de caminhões; confederação se diz contra ato

Após ameaça de greve, Bolsonaro baixa imposto de pneus de caminhões; confederação se diz contra ato

Movimento está marcado para o dia 01 de fevereiro

A Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) usou as redes sociais na manhã de hoje (20), para se posicionar contra a greve de caminhoneiros prevista para o dia 1º de fevereiro. Uma das alegações foi a Covid-19.

Segundo a entidade, “apesar das dificuldades dos caminhoneiros, este não é o momento ideal para uma paralisação”, e diz que o cenário positivo para o transporte de carga e o bom relacionamento com o governo federal desestimulam o ato. Ontem Bolsonaro baixou o imposto dos pneus, em uma sinalização para a categoria.

A nota divulgada ainda ressalta “interesses pessoais e políticos de indivíduos com fins de autopromoção” atrapalham o interesse dos trabalhadores e que “A CNTA acredita que a deflagração de uma greve, especialmente de caminhoneiros, deve ocorrer somente quando esgotadas todas as alternavas plausíveis de discussão e negociação”, finaliza a nota.

Informar Erro

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo.

Leia também