"Considero criminoso", diz dono do PIRANOT sobre 'meme' que circulou nas sociais; jurídico é acionado

“Considero criminoso”, diz dono do PIRANOT sobre ‘meme’ que circulou nas sociais; jurídico é acionado

Empresa estuda se moverá ação por danos morais contra quem postou, curtiu, comentou ou compartilhou. A Justiça brasileira já demonstrou, em inúmeras sentenças, que todos somos responsáveis, inclusive, pelo que curtimos na internet

O fundador, diretor e editor chefe do PIRANOT, Júnior Cardoso, usou seu grupo pessoal de interação no Facebook, com mais de 70 mil membros, para comentar através de uma nota sobre um ‘meme’ que considerou criminoso e que circulou ontem (17) nas redes sociais.

Confira na íntegra a nota

Tudo que postamos no PIRANOT, repercute demais, mas não temos controle do que o público quer ler. Se fosse assim, nossos anunciantes teriam ainda mais retorno, já que, por óbvio, daríamos a eles o maior engajamento possível, mas não é assim.
Sobre um meme que circulou ontem nas redes sociais, gostaríamos de esclarecer que: todas as notícias do PIRANOT, em especial da editoria Piracicaba, tem o mesmo espaço nas nossas sociais, que contam com mais de 300 mil seguidores no Facebook e mais de 60 mil no Instagram. Então, se a notícia que postamos sobre COVID, os demais crimes e a notícia de política – que embora cause muito ‘auê’ nos comentários – não gera interesse na leitura do público como uma briga de mulheres por homem, não é culpa do jornal, mas da sociedade que, Graças a Deus, tem o poder de escolha sobre muitas coisas, entre eles do que quer ler, do que quer assistir, do que quer fazer.
O PIRANOT sempre deixou muito claro, nos seus nove anos de existência, que se houver interesse do público em cultura, faremos mais e mais conteúdo sobre isso, assim como fazemos com o Big Brother Brasil, que representou boa parte dos 97 milhões de acessos que tivemos este ano em todo o país. Não trabalhamos só para o público local, mas nacional com nosso parceiro Google News.
Ainda sobre o meme, o mesmo é criminoso. Ele contém inverdades, o que configura calúnia e difamação.
– Temos inúmeras postagens nas redes sociais, com alcances gigantes e engajamento altíssimo, sobre a COVID, por exemplo;
– Temos um enorme arquivo de notícias sobre diferentes temas e situações, o que mostra que não fechamos o olho para outras coisas;
– Ou seja, temos inúmeras provas, postadas publicamente, recebida por milhares de pessoas, que comprovam que o meme que me refiro é uma inverdade e, assim, criminoso.
Diante dos fatos, estamos analisando o caso juridicamente, não só contra a conta que postou, mas contra todos que curtiram, comentaram, compartilharam e assim em diante. Todos temos responsabilidades e a Justiça tem sido firme nas decisões quanto aos crimes virtuais e o PIRANOT já mostrou, desde 2019, que não tolera certas brincadeiras e atitudes, iniciando um processo contra cerca de 20 pessoas, por uma situação muito parecida. Não estamos brincando na internet, não nos escondemos através de perfis falsos e nem trabalhamos de graça. E, para constar, opinião acaba quando a inverdade é dita.
Informar Erro

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo.

Leia também