Prefeitura de Piracicaba lamenta agressão a fiscal durante blitz a comércios no Centro da cidade

Prefeitura de Piracicaba lamenta agressão a fiscal durante blitz a comércios no Centro da cidade

A Prefeitura de Piracicaba lamentou, por meio de nota, a agressão registrada contra um fiscal do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest), durante uma blitz a estabelecimentos comerciais no Centro do município, conforme o Jornal PIRANOT noticiou na manhã da última sexta-feira (24).

O fiscal da Prefeitura de Piracicaba que sofreu as agressões
Foto: Wagner Romano / PIRANOT

O fiscal Marcos Hister Pereira Gomes foi empurrado enquanto fazia a vistoria em uma loja da Rua Benjamim Constant, no Centro da cidade, para averiguar irregularidades relativas às normas sanitárias estabelecidas em protocolos para contenção da pandemia de coronavírus (Covid-19) em Piracicaba. Ele caiu no meio da rua e acabou sofrendo escoriações na mão esquerda.

Após ser agredido, o fiscal foi até o Plantão Policial, onde registrou um Boletim de Ocorrência. Em entrevista ao PIRANOT, logo após o ocorrido, o fiscal classificou o episódio como “lamentável” e disse que tomará todas as medidas cabíveis contra seu agressor. “Meu machucado passa, porém a tristeza de estarmos há quatro meses em pandemia, tentando conter um vírus, e ainda sermos desrespeitados, não há saúde mental que aguente. Farei todos os papéis de representação na delegacia até que ele seja punido, não deixarei isso barato. Ele feriu a honra minha e de meus colegas.”

Em nota, a Prefeitura de Piracicaba lamentou o ocorrido. “O Governo Municipal lamenta esse episódio e pede a colaboração da sociedade para que Piracicaba possa superar esta fase tão difícil, de crescimento dos casos de Covid-19 em todo o interior do Estado de São Paulo. O trabalho dos fiscais da prefeitura, para o cumprimento das regras sanitárias pelos estabelecimentos comerciais, é de fundamental importância neste momento e precisa ser respeitado por todos”, informou a Prefeitura.

A Prefeitura disse, ainda, que o serviço de fiscalização continuará até o final da pandemia e que os infratores podem ser punidos com multas que variam de 10 a 10 mil UFESP — o equivalente a R$ 270 mil reais, visto que cada UFESP vale R$ 27,61 reais.

O Plantão Policial, onde a ocorrência foi apresentada
Foto: Wagner Romano / PIRANOT
A Guarda Civil que atendeu a ocorrência
Foto: Wagner Romano / PIRANOT

Leia também:

Informar Erro

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo.

Leia também