Connect with us

Notícias

Em Piracicaba, Polícia Civil investiga maus-tratos contra criança de quatro anos

Rafael Fioravanti

Published

on

Um caso de maus-tratos contra uma criança de apenas quatro anos foi registrado na noite desta terça-feira (12), em Piracicaba (SP). Segundo a Polícia Civil, o crime teria ocorrido na Rua Jumirim, bairro Jardim Planalto.

Piracicaba

Foto: Wagner Romano / PIRANOT

O declarante J.C.B.S — de 33 anos — contou a policiais civis que esteve casado com A.P.P.S durante 11 anos e que, juntos, tiveram duas filhas. Ocorre que eles se separaram há cerca de 20 dias e que A.P.P.S saiu da residência, levando com ela uma das filhas do casal. O declarante disse ainda que foi impedido por A.P.P.S de ver sua filha durante esses períodos, não sabendo sequer onde sua ex-esposa reside atualmente com a criança.

Ele conta que só tomou ciência da agressão quando, ao pegar um celular pertencente a sua ex-esposa, encontrou uma gravação onde ela supostamente agredia a filha de quatro anos do casal.

A Polícia Civil informou que “o declarante foi orientado a comparecer no Conselho Tutelar para comunicar a agressão e apresentar cópia das imagens gravadas”. A Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), responsável por cuidar de casos envolvendo mulheres e crianças, ficará encarregada do assunto.

O Boletim de Ocorrência foi lavrado no plantão policial de Piracicaba às 23h41 desta terça-feira (12), na natureza de crime de maus-tratos, conforme especifica o Artigo 136 do Código Penal.

Rafael é formado em jornalismo (comunicação social) pela Universidade Mackenzie, em São Paulo. Possui experiência em redações e editoras literárias. Integra a equipe do Jornal PIRANOT desde dezembro de 2017.

2 Comments

2 Comments

  1. Avatar

    LUIZ FERNANDO

    13 de março de 2019 at 16:20

    Se fosse o pai o agressor, seira preso na hora, mas como foi a mulher, acham melhor investigar e depois tomar as medidas, isto é justiça? A Lei Maria da Penha também se aplica nesses casos, por que a Delegada não aplicou? Isonomia, será que o judiciário e os delegados ainda lembram disso?

  2. Avatar

    Bená

    13 de março de 2019 at 21:45

    Não é porque é mãe que cuida bem dos filhos. Tem muita mulher por aí que passa longe de ser mãe. E como disse o amigo Luiz Fernando, se fosse o pai, já estaria preso faz tempo. Justiça parcial demais nestes casos familiares.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Este conteúdo está protegido por direitos autorais.