Conecte-se conosco

Notícias

Homicídio em Piracicaba divide opiniões entre leitores do PIRANOT

Published

em

O homicídio ocorrido por volta das 16h20 desta quinta-feira (05), em Piracicaba (SP), suscitou várias opiniões entre leitores do Jornal PIRANOT. Tudo começou quando um pai, ao descobrir que sua filha de 25 anos apanhava do marido, pegou uma arma para tirar satisfações e resolver o problema. No calor do momento, o genro acabou alvejado com dois tiros na região lateral do tórax e entrou em óbito.

Foto: Wagner Romano / Jornal PIRANOT

Nas redes sociais, muitos saíram em defesa do pai. “Parabéns para esse pai, e essa filha que pense antes de arrumar outro”, escreveu uma leitora. “Eu faria o mesmo se eu soubesse que batia em minha filha”, comentou outro rapaz. Um leitor ainda mais indignado comentou que, se as leis brasileiras, fossem mais enérgicas, crimes dessa natureza seriam cada vez mais raros. “Isso acontece porque a lei aqui não é cumprida. Imagina o quão cego o pai não ficou ao ver a situação da filha. Eu não julgo ele não”, desabafou.

Por outro lado, o marido agressor também foi defendido. “Nada justifica tirar uma vida”, escreveu uma leitora. Outra lamentou a grande quantidade de crimes. “Pra que tanta maldade?”, indagou.

Agora o Jornal PIRANOT quer saber a sua opinião sobre este caso que tanto deu o que falar no município. Como você enxerga essa situação toda?

O caso

Na tarde desta quarta-feira (05), o Jornal PIRANOT notificou que um homicídio foi registrado em Piracicaba por volta das 16h15, na esquina da Rua Doutor Jorge Augusto da Silveira com a Rua Jorge Zohlner, no bairro Morumbi.

De acordo com o que publicamos ontem, uma mulher de 25 anos vinha sofrendo uma série de agressões por parte do marido, de 29 anos, no último ano. Assim que o pai tomou ciência das agressões que a filha sofria, foi até a residência de ambos para tirar satisfações com o genro. No local, houve discussão e o sogro acabou alvejando o genro com dois disparos de arma de fogo.

O ferido foi identificado como sendo Wagner Feliciano, de 29 anos. Ele chegou a ser socorrido por populares até o Pronto Socorro do Piracicamirim, porém chegou já em óbito no local. Wagner Feliciano trabalhava como tatuador e era natural deste mesmo município.

Policiais militares contam que faziam patrulhamento pelo bairro Morumbi, momento em que se depararam com Wagner caído na calçada da residência, em decúbito dorsal. Ele foi alvejado com dois tiros na região lateral do tórax.

B.S.S, esposa de Wagner, contou que era casada há um ano e que constantemente era agredida pelo marido. Apesar das agressões, ela disse que nunca chegou a registrar um Boletim de Ocorrência e que as agressões eram de conhecimento de seus familiares.

Na tarde desta quarta-feira (05), após brigar com seu marido, B.S.S decidiu sair de casa. Consequentemente, Wagner passou a ameaçá-la, dizendo que, caso não voltasse para casa, mataria ela e sua mãe. Para resolver a situação, o pai de B.S.S compareceu no imóvel, e após discussão com Wagner, efetuou dois disparos contra ele.

Policiais realizam diligências por todo o município a fim de encontrá-lo, porém ele segue foragido.

O caso foi registrado como homicídio consumado, incurso no Artigo 121 do Código Penal Brasileiro (CPB). O 6º Distrito Policial de Piracicaba ficou incumbido das investigações.

Fundado em 18 de novembro de 2011, o Jornal PIRANOT é uma marca da Empresa Júnior Cardoso LTDA. Aqui, notícias de Piracicaba são prioridade. Confira tudo o que acontece de mais importante na cidade em tempo real. Jornalismo 24 horas de plantão.

Advertisement
4 Comentários

4 Comments

  1. Sebastião Procópio dos Santos

    6 de dezembro de 2018 a 18:40

    Não vou dizer parabéns não deve ser fácil para esse pai que em honra da sua família não teve outra escolha mais eu faria o mesmo que ele por que ele estava amassando e hoje não da pra esperar acontecer estamos vendo isso acontecer e não acontece nada para esses tipos de marido que pensa que a mulher e propriedade dele eu fico do lado desse pai

  2. joceli Beltran

    7 de dezembro de 2018 a 10:58

    Cada vez mais mulheres perdendo a vida.Antes ele do que ela.assim pensou este sogro!

  3. Anônimo

    7 de dezembro de 2018 a 13:39

    Se existisse punição para esse marido agressor não precisaria que esse pai se tornasse um assassino, mas como não existe infelizmente e muitas mulheres morrem nas mãos desses agressores que se acham dono delas, esse pai fez o correto , eu tbm mataria para defender meus filhos. Melhor ele morto!

  4. Angelica

    8 de dezembro de 2018 a 7:05

    Não se brinca com o sentimento de um pai e de uma mãe…n coloquem a prova. Eu teria feito o mesmo!! Se fosse o contrário e hj esse pai estivesse velando essa filha..quem seria punido? Está na hora desses canalhas que se acham os machões perceberem que isso já passou do limite e se Não pararem vão morrer sim!! A gente não cria filha princesa pra vir qq sapo querer tirar seu sorriso.

Qual sua opinião?

O seu endereço de e-mail não será publicado.

MAIS LIDAS

error: Este conteúdo está protegido por direitos autorais.