Bancários de Piracicaba e região avaliam proposta dos bancos nesta quinta-feira (01)

Bancários de Piracicaba e região avaliam proposta dos bancos nesta quinta-feira (01)

Nesta quinta-feira (1º), às 18h30, bancários de Piracicaba e região se reúnem em assembleia na sede do SindBan, para analisar a proposta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) e deliberar sobre a paralisação por prazo indeterminado, a partir da 0h do próximo dia 6, terça-feira.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Sem garantir emprego, a Fenaban apresentou, em negociação na última segunda-feira (29), proposta de 6,5% de reajuste, mais abono de R$3 mil, o que representa perda 2,8% nos salários da categoria.

“Mais uma vez, os banqueiros mostraram que valorizam o lucro em detrimento de seus trabalhadores, apresentando proposta que sequer repõe a inflação do período, projetada em 9,57%. Além disso, eles ignoram as cláusulas sociais, como emprego, saúde e condições de trabalho, segurança e igualdade de oportunidades”, critica a presidenta em exercício do SindBan, Angela Ulices Savian.

O lucro dos cinco maiores bancos (Itaú, Bradesco, Banco do Brasil, Santander e Caixa) no primeiro semestre de 2016 chegou a R$ 29,7 bilhões e 7.897 postos de trabalho foram cortados nos primeiros sete meses do ano. Entre 2012 e 2015, mais de 34 mil empregos foram reduzidos pelos banqueiros.

“Sempre prezamos pela negociação, mas o sistema financeiro sempre quer ganhar. Por isso, orientaremos na assembleia a rejeição da proposta, é a nossa forma de luta para mostrar a nossa insatisfação”, ressalta Angela.

.

BASE TERRITORIAL – Para reforçar a mobilização, o Sindicato dos Bancários levou a Piracicaba, Capivari, Santa Bárbara D`Oeste e São Pedro a Campanha Nacional Unificada, que tem como mote Só a Luta Te Garante.

Dentre os principais eixos estão o reajuste salarial de 14,78%, os vales alimentação e refeição no valor do salário mínimo (R$880), a defesa do emprego, o combate às metas abusivas e ao assédio moral, o fim da terceirização, a defesa das empresas públicas e a manutenção de direitos.

“Luta, resistência e tolerância são as palavras que nortearão a nossa Campanha este ano. Mostraremos a nossa força,” finaliza a presidenta.

Informar Erro

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo.

Leia também