Estado não cumpre liminar e criança tem 40 convulsões por dia em Piracicaba

Estado não cumpre liminar e criança tem 40 convulsões por dia em Piracicaba

Foto: Reprodução / Unidos pelo Gabriel
Foto: Reprodução / Unidos pelo Gabriel

O filho de Valdileia Vidal Esperança, o Gabriel, de 16 anos, portador de síndrome de West, uma condição epiléptica severa, está sofrendo. No mês passado, o governo do estado parou de fornecer o principal remédio usado para o seu tratamento que garantia qualidade de vida e controle das convulsões que hoje sem o medicamento chegam a 40 por dia.

A mãe, moradora do bairro Javari III, na periferia de Piracicaba, desesperada em ver o sofrimento do adolescente, entrou em contato com o PiraNOT.com para pedir ajuda. Ela quer apoio dos internautas para exigir do estado o cumprimento de uma liminar que determina que o SUS (Sistema Único de Saúde) forneça gratuitamente o Canabidiol, um remédio importado proibido no país feito à base de maconha. “No ano passado realizamos um bingo onde com o dinheiro conseguimos comprar o Canabidiol e usamos. Foi muito bom para o Gabriel e entramos na justiça pedindo que o SUS fornecesse o tratamento e ganhamos a causa. Por oito meses conseguimos que o estado cumprisse a ordem judicial, mas mês passado, ele e o município recorreram para não pagar” disse.

Foto: Reprodução / Unidos pelo Gabriel
Foto: Reprodução / Unidos pelo Gabriel

Além do remédio, a frauda que também era fornecida pelo SUS parou de ser entregue há 60 dias.

No período que está sem o Canabidiol, Gabriel voltou a ter as convulsões e cada dia mais. “Passei muita humilhação nessa cidade para poder comprar. Muitas pessoas têm preconceito, acham que é droga” contou a mãe.

Gabriel depende de Vidal para quase tudo. Ele não consegue se alimentar sozinho e precisa tomar banho no colo. Atualmente o adolescente passa por atendimento neurológico na cidade e faz tratamento em Ribeirão Preto.

Vidal é amiga de Simone Cardoso, mãe do pequeno Arthur de nove anos que teve sua história contada pelo PiraNOT na semana passada após o carro que levava a criança para se tratar de uma doença rara em Bauru ser roubado na frente do pronto-socorro da Vila Sônia. As duas se ajudam e um exemplo disso é na divisão do leite. O que sobra do Gabriel é doado para o Arthur. Esse leite custa em torno de R$ 30 já que é especial.

Diante da situação difícil, Vidal conta com a pressão popular para que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) volte a fornecer o Canabidiol.

Quem quiser acompanhar a rotina e o tratamento do adolescente pode acessar a página dele no Facebook, a “Unidos pelo Gabriel”, clicando aqui.

COMO AJUDAR? – Os leitores do PiraNOT podem compartilhar essa notícia em suas redes sociais cobrando das autoridades uma posição quanto à essa situação. Pode marcar ou enviar a notícia para advogados, vereadores, deputados, outros veículos de comunicação e pessoas influentes que possam ajudar de alguma forma. O objetivo é levar ao conhecimento de todos o drama vivido por essa família sem o medicamento.

Quem tiver condições de doar fraldas ou ainda o remédio podem ligar para 019 987619530.

O QUE É O CANABIDIOL? – Sem efeito psicoativo, o canabidiol (CDB) é uma substância canabinoide existente na folha da Cannabis Sativa, a planta da maconha. De acordo com pesquisadores, não causa efeitos psicoativos ou dependência.

Foto: Reprodução / Unidos pelo Gabriel
Foto: Reprodução / Unidos pelo Gabriel

O elemento possui estrutura química com grande potencial terapêutico neurológico, ou seja, pode ter ação ansiolítica, que diminui a ansiedade, antipsicótica, neuroprotetora, anti-inflamatória, antiepilética e age nos distúrbios do sono.

A mudança na classificação do canabidiol é uma reivindicação de familiares de crianças e adolescentes que têm crises repetidas de convulsão.

Pesquisadores defenderam a reclassificação do canabidiol por parte da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Segundo eles, o uso medicinal da substância tem efeitos positivos relevantes em pacientes com autismo, esclerose múltipla, dores neuropáticas, câncer, epilepsia e mal de Parkinson, por exemplo. “Reclassificar o canabidiol, tirando da condição de substância proscrita, é imprescindível”, disse o professor da Universidade de Brasília (UnB), Renato Malcher, que fala ainda que desde 1843 há registros do uso medicinal da cannabis em pacientes com crises convulsivas.

Informar Erro

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo.

Leia também