Gringos voltam para a casa após intercâmbio na Esalq / USP, em Piracicaba

Gringos voltam para a casa após intercâmbio na Esalq / USP, em Piracicaba

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A espanhola Bárbara Magdalena San Martín e o holandês Joost Van Arenctonk voltaram para a Universidade da Finlândia Oriental (University of Eastern Finland) nesta quinta-feira, 07, depois de três meses de estudo e integração na Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (USP/ESALQ). A experiência fez parte do Programa de Pós-Graduação (PPG) Master European Forestry.

A coordenadora do convênio na ESALQ e professora do Departamento de Ciências Florestais, Luciana Duque, contou que este é o terceiro ano consecutivo em que a universidade recebe dois alunos da universidade estrangeira. “Agora, somos colaboradores oficiais do programa, no Brasil, junto à Universidade Federal do Paraná. Trata-se da primeira oportunidade de um país ter duas faculdades participantes, por isso estamos muito felizes.” Na Europa, o programa conta com mais sete universidades, além das brasileiras e uma chinesa.

Segundo Luciana, os alunos encerraram seus estudos na segunda-feira, 27, e fizeram pesquisas individuais relacionadas à plantação de florestais de eucaliptos, por meio de análises ecofisiológicas e silviculturais. “As atividades práticas aconteceram na Estação Experimental de Itatinga e a análise de dados e integração com outros alunos, na ESALQ”, completou.

Joost disse ter escolhido o Brasil por achar que é um país muito interessante, que tem culturas de plantas diferentes da Europa. “Foi uma oportunidade de conhecer os trabalhos desenvolvidos aqui e entender mais as espécies de plantas e tipos de florestas”. O holandês desenvolveu um estudo com calibração da densidade do fluxo de seiva, além de avaliar o efeito de clones de eucalipto no espaçamento. Joost afirmou querer voltar para o Brasil para conhecer, principalmente, a Amazônia e desenvolver algum projeto social.

Já Bárbara contou que a experiência foi muito relevante em vários aspectos. “Aprendi muito por ter passado por todas as fases de pesquisa, desde a coleta de dados até a pesquisa bibliográfica, análise de dados e redação. Também tivemos a possibilidade de entrar em contato com muitos pesquisadores da área e ver outros projetos, e conhecemos um pouco da cultura brasileira e pessoas muito boas”. A estudante disse ainda que fez várias amizades. “Nós dois fomos muito bem recebidos. Não podia imaginar acolhimento melhor.”

Informar Erro

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo.

Leia também