Piracicaba ganha novo acelerador para tratamento do câncer

Foto: Junior Cardoso / PIRANOT

Foi publicado no Diário Oficial da União (DOU), do dia 01 de dezembro, a liberação de R$ 3,6 milhões do Ministério da Saúde, por meio do Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon), para à aquisição de um Acelerador Linear de Elétrons – equipamento de radioterapia para tratamento do câncer – destinado ao Centro Oncológico (Ceon) do Hospital dos Fornecedores de Cana (HFC).

Desde 2015, a Prefeitura de Piracicaba, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, tem trabalhado em conjunto com o HFC para a atualização desta tecnologia, vital para que a cidade continue acompanhando a evolução científica no tratamento da doença, com alto padrão de qualidade no atendimento destinado aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). As diferentes técnicas têm levado a evoluções significativas para aumentar a eficácia terapêutica, possibilitando melhor qualidade de vida aos pacientes tratados.

De acordo com o secretário de Saúde de Piracicaba, dr. Pedro Mello, essa conquista faz parte da filosofia do governo municipal de trabalhar em parceria com os hospitais conveniados SUS a fim de mantê-los como referência em atendimento de média e alta complexidade. “A nova tecnologia traz maior resolutividade ao tratamento do câncer. Acompanhar essa tendência científica é uma marca dos nossos centros especializados. Contribuir para que o Ceon se mantenha na vanguarda é um compromisso do prefeito Barjas Negri”, explicou Pedro Mello.

O presidente do HFC, José Coral recebeu com enorme alegria a notícia da liberação do recurso para adquirir o equipamento, que irá garantir um tratamento extremamente preciso, com resultados significativos em um número menor de sessões. “É uma conquista. Trabalhamos diariamente para conseguir manter um hospital moderno, equipado com novas tecnologias que proporcionam eficácia no tratamento, assim, o Ceon pode oferecer cada vez mais um atendimento de qualidade à população”, disse o presidente.

A importância dessa atualização está no fato de, nos últimos dez anos, ter havido mudança significativa tanto nas exigências adotadas pelos órgãos reguladores – Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) – quanto na abordagem técnica terapêutica dos pacientes.

As normas publicadas periodicamente pelos órgãos acima obrigam os serviços de radioterapia adotar rotinas de atendimento e técnicas mais sofisticadas para maior segurança do paciente e melhor qualidade nos tratamentos, o que é possível com a mudança da técnica bidimensional para a tridimensional, proporcionada pelo novo acelerador linear.

O que é o Pronon?

O Pronon tem a finalidade de captar e canalizar recursos para a prevenção e o combate ao câncer, englobando a promoção da informação, a pesquisa, o rastreamento, o diagnóstico, o tratamento, os cuidados paliativos e a reabilitação referentes às neoplasias malignas e afecções correlatas.

A chegada deste novo aparelho para o serviço proporcionará, portanto, o tratamento com a técnica conformacional tridimensional (3D). A radioterapia conformacional 3D (3D-RT) e? uma forma avançada de radioterapia externa que utiliza imagens adquiridas por tomografia computadorizada, ressonância magnética ou tomografia por emissão de pósitrons e as transfere ao computador de planejamento para criar uma imagem tridimensional do tumor, possibilitando que múltiplos feixes de radiação de intensidade uniforme possam ser conformados exatamente para o contorno determinado da área alvo de tratamento, com as margens de segurança determinadas.

Essa técnica é usada para tratar diferentes tipos de câncer, incluindo câncer de cabeça e pescoço, próstata, esôfago, alguns tipos de câncer de pulmão, câncer de mama e tumores cerebrais. Portanto, a nova tecnologia vai oferecer aos médicos maior controle durante o tratamento de tumores, o que garantirá aos pacientes doses de radiação mais elevadas administradas no tumor, e menos exposição à radiação dos tecidos saudáveis, diminuindo os efeitos colaterais.

Por | 14/12/2017|

Médico que morreu em grave acidente dará nome para USF do Santa Rosa

Foto: Ignácio Garcia/CCS

O prefeito Barjas Negri participa amanhã, 14/12, às 10h, de cerimônia de denominação da Unidade de Saúde da Família I, do bairro Santa Rosa, que passa a se chamar Reinaldo Carazzai Neto, em homenagem ao médico falecido este ano e que atuava na unidade. O autor do projeto de denominação – Lei Municipal 8.764, de 07 de julho de 2017 – é o vereador Pedro Kawai. A USF fica na rua José Jacir Moretti, 270.

A USF Santa Rosa I conta com 240 metros quadrados de área construída, dividida em recepção, banheiros masculino/feminino e para portadores de deficiência, salas para curativo, sutura, vacinas, reuniões de grupos e dois consultórios.

A equipe que trabalha no local é composta por seis agentes comunitários de saúde, um médico generalista, uma enfermeira e duas auxiliares de enfermagem.

HOMENAGEADO – Nascido em Cornélio Procópio, Paraná, em 18 de maio de 1973, filho de Reinaldo Carazzai Filho e Consuelo Guadalupe Fernandes Carazzai, Reinaldo Carazzai Neto era filho e neto de médicos, o que o influenciou a também gostar de medicina.

Em 1998, formou-se médico pela Faculdade Evangélica do Paraná. Sempre atuou com enorme bondade e dedicação ao próximo. No Estado de São Paulo, trabalhou em cidades da região de Piracicaba até 2004, como médico de família. Assumiu a Unidade Santa Rosa I em maio de 2009, onde trabalhou até o último dia de vida. Carazzai Neto faleceu em um acidente de trânsito, em 23 de fevereiro de 2017.

Foto: AnunciaFácil

Por | 13/12/2017|

CRAS do Jardim São Paulo, em Piracicaba, é fechado por problemas de estrutura

Os atendimentos realizados no Centro de Referência de Assistência Social (Cras) Jardim São Paulo estão temporariamente remanejados para o Cras Jardim São José.

O acolhimento que ocorre todas às segundas-feiras, porém, não será realizado para os usuários do território de abrangência da unidade São Paulo nesta próxima segunda-feira (27). As atividades no Cras Jardim São Paulo foram suspensas na última quarta-feira, devido a problemas na estrutura.

O Cras Jardim São Paulo está localizado na Rua Prof. Felinto de Brito, 366 – Jd. São Paulo. Já o São José na Av. Demosthenes dos Santos, 1333 – São José.

Os Cras, conforme está divulgado no sítio da Secretaria Municipal de Assistência Social (Semdes) é uma unidade pública estatal de base territorial, localizada em áreas de vulnerabilidade social. Executa Serviços de Proteção Social Básica, como o Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família – PAIF, organiza e coordena a rede de serviços socioassistenciais locais da política de Assistência Social e se caracteriza como principal porta de entrada dos usuários à rede de proteção social do Sistema Único de Assistência Social (Suas).

Por | 27/11/2017|

UNICAMP assume a administração do Hospital Regional de Piracicaba

Foto: Palácio dos Bandeirantes

O Governo do Estado de São Paulo e a Universidade de Campinas (Unicamp) assinaram ontem (24) o Termo de Gestão do Hospital Regional de Piracicaba “Dra. Zilda Arns”, em ato realizado no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo. O Hospital Regional deve entrar em operação, de maneira gradativa, a partir do mês de março de 2018. O investimento do Estado no Hospital Regional é de R$ 35,8 milhões, considerando obras e a compra de mobiliário e equipamentos, que já está em fase de execução.

A solenidade contou com a presença do governador do Estado, Geraldo Alckmin; o prefeito de Piracicaba, Barjas Negri; o reitor da Unicamp, Marcelo Knobel; o deputado estadual Roberto Morais; o secretário de Saúde, Pedro Mello; prefeitos e vereadores da microrregião de Piracicaba.

Geraldo Alckmin disse que o Governo do Estado tem investido grandes recursos na àrea de saúde e em Piracicaba isso não seria diferente. O prefeito Barjas Negri aproveitou para dizer que o Estado não poupou esforços para que a cidade chegasse desse momento, ou seja, de ter um hospital regional. Este trabalho, segundo ele, também é um somatória de iniciativas envolvendo deputados, prefeitos da região e vereadores. “A sociedade organizada cobrou muito e somou esforços nesse sentido. E o HR vem para resolver um grave problema na região, que é a falta de leitos hospitalares. Esse é um dia muito feliz”, afirmou Barjas.

“É muito importante que possamos colaborar com uma cidade do porte de Piracicaba e da região. Já temos a Faculdade de Odontologia de Piracicaba, que também poderá ser favorecida. A possibilidade de administrar um hospital como esse – de grande porte – é bastante interessante. E, além disso, é importante colaborarmos com o Governo do Estado visando a melhoria das condições de saúde da população”, afirmou o reitor da Unicamp.

Pedro Mello observou que, com o HR, Piracicaba dá um salto em sua estrutura de atendimento em saúde, se consolidando como polo tecnológico de formação profissional na área. “A estrutura do HR, construída com recursos municipais, é de alta qualidade, como foi constatado pelos especialistas da própria Unicamp, que agora assume definitivamente a gestão da unidade. É um casamento feliz, uma vez que a universidade tem konwhow no assunto. Isso vai contribuir sobremaneira para o avanço regional do setor”, afirmou.

O Decreto 62.743/2017, que criou o HR, foi assinado no dia 1º de agosto deste ano pelo governador Geraldo Alckmin. A unidade passou então a ser de responsabilidade da Coordenadoria de Serviços de Saúde da Secretaria do Estado. Pelo decreto, o governo determinou também seu objeto, que é a prestação de assistência médica hospitalar, potencialmente cirúrgico e de abrangência regional. Serão priorizadas as cirurgias eletivas de média e alta complexidades, urgência e emergência aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) da região da DRS-X Piracicaba, que abrange 26 municípios.

O funcionamento do HR acontecerá em fases, começando com os exames de pacientes externos e os internados — como tomografia, ecocardiograma, endoscopia, ressonâncias, exames laboratoriais, etc — pelo Hospital Dia. Depois passará a atender nas áreas clínica médica geral, ortopedia, oftalmo e otorrino, mesmas áreas onde serão realizadas as primeiras cirurgias. Para isso, estima-se a contratação de até 300 funcionários. Estão previstos recursos anuais de R$ 40 milhões.

Inicialmente, serão 60 leitos no HR: 30 cirúrgicos, 20 clínicos, 10 para UTI Adulto, 4 salas cirúrgicas, além de atendimentos ambulatoriais. Quando estiver funcionando a todo vapor, o HR terá 138 leitos: 84 destinados à internação, 20 à UTI Adulto; 27 para cuidados mínimos, sete para o Hospital Dia; dez salas cirúrgicas, além de diagnóstico por imagem.

Em 2018, a estimativa é que o hospital realize mais de 18,6 mil consultas ambulatoriais médicas e não médicas, 11,7 mil exames, 3,3 mil cirurgias e 2 mil internações. O pronto-socorro será referenciado, com uma previsão de aproximadamente 300 atendimentos a urgências para intercorrência de pacientes atendidos previamente pelo serviço.

Gestão

Concretizada a parceria, o HR será vinculado ao Núcleo Central de Acompanhamento e Gestão dos Convênios SES/Unicamp, (NACSES), que é vinculado à reitoria e já administra os convênios com o Hospital Estadual Sumaré (HES), além dos Ambulatórios Médicos de Especialidades (AMEs). “Antes da implantação precisamos estar muito seguros da infraestrutura”, observou o coordenador do núcleo, Lair Zambon, que também visitou o HR em agosto. Ainda, na época, o diretor da FCM da Unicamp, Ivan Toro, avaliou que o prédio do Hospital Regional é um dos mais bem planejados do Estado.

O HR

O Hospital Regional fica no bairro São Francisco, tem área total de 80 mil m2 e 19 mil m2 de construção. Começou a ser construído em 2010. Foram investidos na obra R$ 85 milhões. Equipada com UTI, a unidade possui 126 leitos – 84 cirúrgicos e 48 de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) – e capacidade para 2.000 cirurgias/mês, sendo outras 700 eletivas no Hospital Dia anexo.

Por | 25/11/2017|

Governo Federal aumenta em R$ 9 milhões verba para a saúde de Piracicaba

Foto: Fabrice Desmonts / Câmara

O vereador Gilmar Rotta (PMDB) anunciou na noite de ontem (16), durante a sessão plenária da Câmara de Piracicaba, que o governo federal aumentará em mais de R$ 9 milhões o repasse de dinheiro para a saúde. O valor será pago em 12 parcelas.

Segundo o parlamentar, o aumento do repasse federal é resultado direto da atuação política implementada pela Câmara de Vereadores de Piracicaba ao longo deste ano. “Recebi, por volta das 17 horas, um telefonema do Gabinete da Presidência falando da Portaria 2912, que amplia os recursos para o município”, informou Gilmar.

No início do ano, Rotta manteve contato com o Ministério da Saúde para viabilizar a visita do secretário da pasta para Gestão do Trabalho e Educação na Saúde, Rogério Abdalla, em maio. Na oportunidade, cobrou a atuação do governo federal para minimizar as dificuldades da rede municipal. “Trouxemos ele para que conhecesse a estrutura de atendimento e, a partir disso, contribuísse para a melhoria no financiamento”, disse o vereador, à época.

Durante a reunião de quinta, o vereador destacou que a Portaria estava na mesa do ministro desde o inicio do ano, mas foi necessária a nomeação do substituto da pasta, Adeilson Loureiro Cavalcante, que durante uma semana apenas no cargo já encaminhou a liberação dos recursos que serão parcelados em 12 parcelas de R$ 798.313,00, totalizando R$ 9.579.760,00. “Espero que o ministro, voltando ao cargo, não revogue”, disse.

Gilmar Rotta também enalteceu a atuação de todos os vereadores, que trabalham na busca por estes recursos, em constantes conversas com os deputados federais e presidentes de partidos. “Gostaria de parabenizar a todos que se empenharam nesta luta, agora o secretário municipal Pedro Mello terá condições de gerenciar melhor a saúde”, enfatizou.

Diversas ações

A situação da saúde em Piracicaba tem sido tema constante no Plenário da Câmara de Vereadores e em proposituras apresentadas de forma recorrente. Um dos assuntos mais reclamados é a demora no funcionamento do Hospital Regional, no bairro Santa Rita. Mesmo sob administração do Governo do Estado, ainda não está em funcionamento. A dívida da Prefeitura com os hospitais locais também é permanente na pauta.

No início de agosto, o vereador Rerlison Rezende (PSDB) informou que em apenas seis meses a Câmara já havia protocolado 142 proposituras voltadas às demandas da rede municipal de Saúde. Em resposta ao que chamou de “críticas infundadas”, o parlamentar disse que apresentava ali “todas as proposituras que eu votei”, ao enaltecer o trabalho dos colegas. “Tivemos vários questionamentos”, destacou Relinho.

Além da atuação local, os vereadores buscam influenciar as decisões de parlamentares de outras instancias, com o objetivo de conseguir emendas para o orçamento de Piracicaba.

Relinho entrou em contato com o deputado federal Jefferson Campos (PSD-SP) e o deputado estadual Carlos Cezar (PSB). O vereador Adilsa Marques, o Paraná (PPS), levou o assunto ao deputado federal Paulo Freire (PR) e Lair Braga tratou da preocupação com o deputado estadual Luiz Carlos Gondin (SD).

A atuação política dos vereadores em defesa da Saúde também chegou diretamente ao governador Geraldo Alckmin, no início de outubro. Na inauguração do evento EsalqShow, com a presença do chefe do Executivo estadual, uma comitiva com 12 vereadores levou as dificuldades enfrentadas pela rede municipal de atendimento, por conta da falta de recursos.

Já no final de outubro, a Câmara aprovou a criação da Frente Parlamentar Pró-Saúde, com o objetivo de envolver as cidades integrantes da DRS-X, órgão da Secretaria de Estado responsável por gerir os recursos para 26 cidades. No último dia 9, um grupo de nove vereadores aprovou o primeiro requerimento da Frente, onde cobra dados da gestão do prefeito Barjas Negri (PSDB) sobre os atendimentos de saúde realizados na cidade.

A Câmara também serviu de palanque ao secretário municipal Pedro Mello (Saúde), que reclamou do déficit de repasses tanto do Governo do Estado quanto da União durante a audiência pública sobre a LDO 2018 (Lei de Diretrizes Orçamentárias), no dia 30 de agosto. “Essa situação está ficando em níveis bastante gritantes e de difícil de solução”, enfatizou.

Por | 17/11/2017|

Piracicaba registra dois novos casos de morcegos com raiva

Foto: Reprodução

O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) identificou mais dois casos positivos de raiva em morcegos: um no Centro e outro no Glebas Califórnia. O resultado foi divulgado nesta quinta-feira (09) pelo Instituto Pasteur. Ambos são insetívoros, da espécie Nyctinomops laticaudatus. Já são 6 animais do gênero diagnosticados com a doença no município neste ano.

Por isso, o CCZ enfatiza a importância da vacinação antirrábica, cuja campanha municipal na zona urbana encerra neste sábado (11/11), com atendimento na região norte da cidade (conforme tabela abaixo). O atendimento acontece das 8h às 17 horas, em pontos estratégicos de cada bairro. Quem já perdeu a vacinação no próprio bairro, pode levar seus animais direto ao CCZ: Rua dos Mandis, s/nº – Jupiá, fone: 3427-2400, de segunda a sábado, das 8h as 16 horas, pois a unidade funciona como posto fixo de vacinação durante o ano todo.

De acordo com a bióloga Regina Lex Engel, do CCZ, os animais domésticos tornam-se vulneráveis aos morcegos quando eles estão caídos. “Os gatos, principalmente, podem querer brincar com o bixo doente e ser atacado, se contaminando com o vírus da raiva. O mesmo pode acontecer com os cães. Para evitar o risco da doença, é fundamental a imunização com a vacina antirrábica”, explica.

Vacinação contra a raiva

Até o momento, durante a campanha já foram vacinados 24.632 animais, faltando apenas 2.666 para fechar a meta, de 27 mil, sendo 20.890 cães e 3.242 gatos.  Para o veterinário do CCZ, Paulo Lara, coordenador da vacinação antirrábica deste ano, se não chover, como ocorreu em outros sábados anteriores, e a população colaborar, será possível bater a meta. “A região é grande, mas estamos fazendo uma forte divulgação com carros de som”, disse.

Além do carro de som, a campanha circula por intermédio de sites, jornais, rádios, faixas, cartazes fixados em escolas, postos de saúde e estabelecimentos comerciais. Durante os sábados, trabalham nove equipes, compostas por vacinadores devidamente capacitados, realizam os procedimentos com material descartável e de uso individual. O CCZ orienta que os animais devem ser conduzidos aos postos de vacinação por adultos e presos em guias. Aos mais agressivos, é obrigatório o uso da focinheira. Os gatos devem ser levados em caixas de transporte ou em sacos, como aqueles para embalar cebolas, para evitar fugas e possíveis acidentes com o animal, proprietário e vacinadores.

Todos os cães e gatos, a partir dos 03 meses de idade, podem receber a vacina. Animais doentes, em tratamento ou debilitados devem aguardar a recuperação e a alta do seu médico veterinário, assim como as gestantes e com crias esperarem o desmame dos filhotes para receberem a vacina. Nesses casos, as vacinas podem ser aplicadas posteriormente, de segunda a sábado, das 8h as 16 horas, no CCZ, que funciona como posto fixo de vacinação durante todo ano.

De acordo com Paulo Lara, médico veterinário responsável técnico do Canil do CCZ, “a vacinação é muito importante para prevenir a Raiva, uma doença que mata e é transmitida por todos os mamíferos, principalmente os morcegos, que atualmente contribuem para circulação e manutenção do vírus na zona urbana”.

ZONA RURAL – A etapa da campanha de vacinação contra a raiva na zona rural superou a meta deste anos, estabelecida pelo CCZ, com base em históricos anteriores, de imunizar 10.000 animais. Foram 8.573 cães e 1.568 gatos, totalizando 10.141. O destaque foram os gatos, cuja população atendida superou o índice de 2015 em 7,4 %.

Por | 10/11/2017|

Cirurgias negadas pela Santa Casa em Piracicaba são transferidas para a região

Foto: Junior Cardoso / PIRANOT

A Secretaria de Saúde já reagendou mais da metade das cirurgias eletivas (que podem ser programadas) canceladas pela Santa Casa. Das 140 suspensas nos últimos 40 dias, 87 já foram realizadas em hospitais da região, minimizando os problemas dos pacientes que são atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Os hospitais regionais demonstraram solidariedade e compromisso com o SUS.

Por ser uma entidade de caráter filantrópico, em 2016 a Santa Casa recebeu da Prefeitura o valor de R$ 15.204.602,64 como incentivo. Além disso, o Estado repassou mais R$ 8.363.379,90 do programa Pró-Santa Casa. Neste ano, a Santa Casa está recebendo R$ 18,4 milhões da Prefeitura para melhorar a qualidade dos serviços e manter a realização as internações contratadas, e mais R$ R$ 8,4 milhões do Estado pelo programa Santas Casas SUStentáveis. Não estão incluídos nesses valores os pagamentos regulares realizados pelas internações.

Segundo o secretário municipal de Saúde, doutor Pedro Mello, a Prefeitura procurou parcerias com hospitais da região, suprindo o atendimento dos pacientes que deveriam passar por cirurgias eletivas na Santa Casa, que foram prejudicados com a interrupção unilateral dos serviços desde setembro.

As cirurgias, que englobam as cardíacas, de catarata, pediátricas, ginecológicas, ortopédicas e as de baixa complexidade – hidrocele e varicocele -, foram realizadas no Hospital São Vicente de Paula (Rio das Pedras), Hospital dos Fornecedores de Cana (HFC) e na Santa Casa de São Pedro. Também foram encaminhadas neste mês cirurgias de catarata para o Ambulatório Médico de Especialidades (AME).

Portanto, mais da metade das cirurgias canceladas foram realizadas até o momento. E a Secretaria de Saúde pretende solucionar as demais até o final do ano ou, no mais tardar, no início do próximo, uma vez que os hospitais credenciados pelo SUS na região estão apresentando as suas disponibilidades.

“A Secretaria Municipal de Saúde não mede esforços para que as cirurgias sejam realizadas o mais rápido possível, com menor prejuízo aos pacientes. Esperamos que a Santa Casa reveja essa ruptura unilateral, haja vista que somente em 2017, além dos incentivos fiscais, o hospital recebeu R$ 8,4 milhões do Estado e R$ 18,4 milhões do município”, disse o secretário Pedro Mello.

Por | 09/11/2017|

Frente Parlamentar Pró-Saúde já conta com nove vereadores de Piracicaba

A Frente Parlamentar Regional Pró-Saúde já tem confirmada a participação de nove vereadores de Piracicaba ––número que pode aumentar, uma vez que segue aberta a inscrição de novos nomes. O colegiado deve contar, no total, com parlamentares de 26 cidades, a serem indicados pelos presidentes de cada Câmara.

Em ato publicado nesta terça-feira (7), o presidente do Legislativo piracicabano, Matheus Erler (PTB), nomeou os vereadores André Bandeira (PSDB), Coronel Adriana (PPS), Gilmar Rotta (PMDB), Laércio Trevisan Jr. (PR), Lair Braga (SD), Paulo Serra (PPS), Pedro Kawai (PSDB), Ronaldo Moschini (PPS) e Wagner Oliveira (PHS).

A primeira reunião de trabalho está marcada para a próxima quinta-feira (9), quando deve ser definido o cronograma de atividades da Frente Parlamentar. O grupo atuará por 180 dias e poderá promover reuniões, audiências, visitas e fiscalizações. Ao final, será elaborado um relatório conclusivo e específico das ações realizadas.

A Frente Parlamentar focará na identificação da demanda, da estrutura de atendimento e da participação de cada um dos 26 municípios no consumo do teto da Programação Pactuada e Integrada do SUS (Sistema Único de Saúde) dentro da abrangência da DRS-X (Direção Regional de Saúde X).

O colegiado será formado por vereadores de Águas de São Pedro, Analândia, Araras, Capivari, Charqueada, Conchal, Cordeirópolis, Corumbataí, Elias Fausto, Engenheiro Coelho, Ipeúna, Iracemápolis, Itirapina, Leme, Limeira, Mombuca, Piracicaba, Pirassununga, Rafard, Rio Claro, Rio das Pedras, Saltinho, Santa Cruz da Conceição, Santa Gertrudes, Santa Maria da Serra e São Pedro.

A Câmara de Piracicaba não informou se as outras cidades já enviaram o nome dos seus vereadores.

 

Clique aqui para continuar lendo nossas notícias. Para receber um alerta para notícias novas instale nosso aplicativo clicando aqui.

 

Por | 08/11/2017|

Associação consegue R$ 27 milhões para construção do Hospital do Câncer de Piracicaba

Foto: CCS

A presidente da Associação Ilumina, Adriana Brasil, anunciou a liberação de R$ 27,5 milhões para a construção do Hospital do Câncer de Piracicaba. O recurso, oriundo de multa aplicada pelo Ministério Público à empresa Shell, de Paulínia (SP), foi confirmado pelo Ministério do Trabalho de Campinas.

A unidade, a sétima do gênero no Brasil – nos moldes do Hospital do Câncer de Barretos, será implantada no bairro Pompeia, próximo à Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep) e do Hospital Regional de Piracicaba. O terreno tem 10 mil metros quadrados e foi doado pela Prefeitura de Piracicaba. O prefeito Barjas Negri e o secretário municipal de Saúde, Pedro Mello, estavam presentes, bem como o deputado estadual Roberto Morais e os vereadores Gilmar Rotta e Pedro Kawai.

De acordo com Adriana Brasil, a previsão é de 18 meses para a conclusão da obra, com 3.000 metros quadrados construídos, e instalação de equipamentos. O recurso deve ser suficiente também para a aquisição de uma unidade móvel (carreta) equipada para aproximar os serviços que serão oferecidos pelo hospital da população. O Hospital terá capacidade para realizar 20 mil mamografias por ano; 16.300 papanicolau; 10.370 consultas especializadas; 75 mil atendimentos; 15 mil consultas de teledermatologia; 3.000 cirurgias ambulatoriais e 61.183 procedimentos especializados. O valor estimado para custeio anual é de R$ 2,5 milhões.

“Estamos muito contentes. Esperamos muito por esse dia. Porque este é um sonho que dura quase 10 anos”, disse Adriana Brasil, pontuando que tudo começou em 2008, quando a Ilumina firmou parceria com o Hospital de Barretos e iniciou sua trajetória de evolução na prestação de serviços relacionados ao diagnóstico de câncer, na profissionalização da equipe e no fortalecimento de um conceito de gestão. Para a presidente da entidade, a notícia chega exatamente na 10ª edição da Campanha Ilumina de Prevenção ao Câncer. “Portanto, esta será a última edição anual que realizamos, porque iniciaremos uma nova fase em que a prevenção será feita todos os dias”, enfatizou.

O prefeito Barjas Negri recordou que em meados de 2016 pode colaborar efetivamente com o projeto, viabilizando a doação do terreno. “Tivemos o apoio do Poder Legislativo e conseguimos concluir a doação de forma rápida. O terreno se encontra em uma região muito bem localizada estrategicamente”. Disse ainda que, vencida a primeira batalha, que foi a conquista do recurso para a construção e a instalação dos equipamentos, chega a segunda, que vai exigir de todos arregaçar as mangas. “Porque a segunda etapa, da construção propriamente dita, também não é nada fácil. Por isso colocaremos a prefeitura à disposição caso precisem de nossa ajuda. Como todo projeto público, há uma série de etapas burocráticas a serem seguidas e precisam estar rigorosamente dentro dos parâmetros legais estabelecidos. Para encurtar essa burocracia, o que depender do Executivo, vamos fazer as análises e aprovar os projetos o mais rápido possível”.

Barjas Negri destacou também que a tendência é o hospital do câncer ter uma ação regional. “Não é possível um hospital em cada cidade da região e o Ilumina será uma referência Regional. Esse é o nosso entendimento. Tanto é que o terreno é grande, prevendo a possibilidade de ampliação”. Nessa linha, ele observou que será possível conseguir recursos do Ministério da Saúde para o custeio. O prefeito observou ainda que a cidade tem uma rede de Atenção Básica excelente, mas que existe ainda muita dependência do setor hospitalar. “Para reduzirmos essa dependência, temos de fortalecer a prevenção. Nesse sentido, a Ilumina vem a somar esforços com o poder público”.

O secretário de Saúde, Pedro Mello, destacou o potencial da cidade para se tornar um centro de referência em saúde. “A cada dia se consolida nosso potencial técnico e a chegada do hospital do câncer nos deixa muito felizes”. Ele destacou a visão de estadista de Barjas Negri. “Essa visão de futuro, de pensar a cidade para 20, 30 anos, é o diferencial de um estadista. Por isso a rapidez com que tudo aconteceu. O prefeito viu a grande oportunidade que estava em sua frente, apostou, porque seu olhar está no futuro”. Enfatizou a importância do setor público e sua relação com a secretaria de Saúde. “Venho do setor privado e a cada dia me apaixono mais pelo setor público, porque sua missão é cuidar da população carente. E o hospital que estamos vendo nascer agora vem para desafogar os nossos hospitais em relação aos procedimentos mais simples. Esses procedimentos de baixa complexidade serão direcionados ao hospital do câncer”.

Roberto Morais e Gilmar Rotta destacaram a importância do Legislativo para que um projeto dessa envergadura saia do papel, como aconteceu, e se colocaram à disposição para continuarem apoiando as iniciativas da Ilumina. Morais disse também que o governador Geraldo Alckmin comentou recentemente que o horizonte da economia brasileira começa a se desanuviar. “Isso é um sinal de que dias melhores virão, com o aquecimento econômico, o que significa a possibilidade de mais recursos para projetos de interesse social”, concluiu.

Por | 03/11/2017|

Piracicaba fará orientação para combate aos escorpiões através da Saúde

Foto: Arquivo

O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) e a Rede de Atenção Básica vão ampliar as ações de prevenção a acidentes com escorpiões. Está programado para esta quarta-feira, 25, a capacitação de agentes comunitários de saúde (ACS) das USFs, técnicos e coordenadores de UBSs e CRABs.

As aulas serão ministradas pelo orientador pedagógico do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), Márcio Ermida, no anfiteatro do Centro de Vigilância em Saúde (Cevisa), na rua do Trabalho, 634, em dois turnos (manhã e tarde). De acordo com Ermida, “os escorpiões não atacam ninguém, apenas se protegem quando são desalojados e acabam picando as pessoas”.

O propósito é treinar multiplicadores que possam disseminar em suas unidades de origem informações corretas sobre escorpiões e técnicas de controle, tornando toda a Atenção Básica capaz de propagar à população esses conhecimentos, transformado-os em ações práticas e seguras para evitar acidentes com os aracnídeos.

De acordo com o secretário de Saúde, Dr. Pedro Mello, as equipes dos postos de saúde precisam fazer chegar a todos os usuários da rede pública informações seguras, para tranquilizá-los sobre o comportamento do escorpião, os riscos que eles apresentam à saúde pública e as formas de prevenção.

“Os escorpiões existem e temos de aprender a conviver com eles de maneira segura. Isso requer alguns cuidados básicos, como manter os ralos fechados, o quintal limpo, retirar entulhos, evitar pilhas de telhas e madeiras, corrigir frestas nas paredes e investigar roupas e calçados antes de usá-los”, explica.

De acordo com Regina Lex Engel, bióloga do CCZ e especialista em animais peçonhentos, na área urbana os escorpiões vivem nas galerias de esgoto e, acidentalmente ou por algum motivo, acabam invadindo as casas através dos ralos, procurando locais escuros para se abrigar, como dentro de sapatos, roupas e toalhas, podendo provocar acidentes.

“Em áreas naturais, eles podem também se abrigar em terrenos com mato alto, margem de rio e locais com entulhos. Os escorpiões se alimentam de baratas e onde houver alimento farto para eles, há maior probabilidade de sua presença”, diz a bióloga.

Por | 24/10/2017|

Piracicaba anuncia investimento de R$ 380 mil em veículos para a saúde

Foto: Júnior Cardoso / PIRANOT

A prefeitura de Piracicaba, por intermédio da Secretaria de Saúde, abriu processo de licitação para aquisição de cinco novos veículos para o Serviço Integrado de Transportes da Secretaria da Saúde (Sitss). Serão adquiridos, com recursos municipais, três de sete lugares, no valor unitário de R$ 73,3 mil, e duas ambulâncias pequenas, de R$ 80 mil cada. O investimento será de aproximadamente R$ 380 mil.

De acordo com Bento Dias Gonzaga Filho, coordenador o Sitss, a licitação está em andamento e todos os veículos serão utilizados para transportes internos de pacientes que precisam fazer hemodiálise.

“Nos empenhados para fazer com que o recurso disponível atendesse nossa necessidade imediata, uma vez que não temos recebido recursos para essa finalidade do Ministério da Saúde (MS) há anos e a frota está muito limitada”.

Bento disse que o reforço permitirá atender melhor os munícipes e dar mais flexibilidade a esse serviço essencial à população, atendida pelo SUS.

“Apesar da crise que tem prejudicado imensamente as receitas públicas, o prefeito Barjas Negri e o secretário de Saúde dr. Pedro Mello estão atentos para a solução desse problema, que agora caminha para o seu desfecho”, observou.

O secretário de Saúde, dr. Pedro Mello, explicou que o momento é delicado, mas não se deve usar a crise como pretexto quando se tem uma demanda dessa natureza a ser equacionada. “A função da secretaria é garantir um serviço de qualidade à população, principalmente àquela que mais precisa do apoio do setor público. A aquisição desses veículos não podia mais ser adiada. O prefeito Barjas Negri, ciente disso, não mediu esforços para viabilizá-la”, concluiu.

Por | 12/10/2017|

Em visita à Piracicaba, Alckminn é cobrado por vereadores por repasses para a saúde

Foto: Divulgação

Comitiva com 12 vereadores da Câmara de Piracicaba se reuniu, na manhã desta terça-feira (10), com o governador Geraldo Alckmin (PSDB) durante a EsalqShow – Feira de Inovação para o Agronegócio Sustentável. Eles cobraram do chefe do Executivo estadual mais investimentos na saúde da cidade, sobretudo no financiamento de cirurgias eletivas feitas pelo SUS.

O vereador Pedro Kawai, 1o-secretário da Mesa Diretora da Câmara e presidente da Comissão Permanente de Saúde e Promoção Social, lembrou da queda na arrecadação, por conta da crise financeira no País. “Os hospitais públicos que atendem Piracicaba e regiões têm a receber um valor da Prefeitura, com a queda de arrecadação, precisamos do apoio do governador para ajudar a quitar essa dívida”, destacou o parlamentar.

“Acho que a Câmara está fazendo o papel dela, está cobrando do Governo do Estado para que ele ajude a Prefeitura de Piracicaba a resolver este problema na gestão hospitalar”, disse Gilmar Rotta, presidente da Comissão Permanente de Finanças e Orçamento. Ele enfatizou o pedido para a ajuda na quitação das dívidas entre poder público e hospitais.

Rotta, no entanto, disse que apesar do “discurso bonito” do governador, não houve uma ação positiva no sentido de que o Estado pagará o débito da Prefeitura com os hospitais. “Ficou apenas a garantia de um gesto da parte dele, Geraldo Alckmin, em ligar para o ministro da Saúde solicitando a ampliação do teto de repasse do SUS à região de Piracicaba”, disse.

Lair Braga lembra que a classe política de Piracicaba tem que manter a cobrança constante pelo aumento do teto de repasse ao SUS, mas também em outros assuntos relacionados aos municípios. “A cidade contribui com a eleição de deputados, estaduais e federais, e de senadores, então ela tem todas as condições de exigir deles esta atuação”, ressaltou.

Representando a Câmara de Vereadores de Piracicaba, a comitiva entregou ao governador Geraldo Alckmin o Ofício 182, redigido pela Presidência do Legislativo, onde solicita audiência pública o Executivo Estadual. No texto, é citada a moção de apelo, já aprovada, em que a Casa pede ao Ministério da Saúde o aumento do valor de repasse do teto do SUS em R$ 10 milhões.

“Todos os 23 vereadores entendem que é de suma importância que estejam com V.Sa. no sentido de discutir outros encaminhamentos relacionados à saúde, a fim de que não somente Piracicaba, mas todos os municípios atendidos na cidade não sejam prejudicados”, diz o ofício.

Também participaram da comitiva na Esalq os vereadores Coronel Adriana Nunes (PPS), Aldisa Marques, o Paraná (PPS), André Bandeira (PSDB), Dirceu Alves da Silva (SD), Isac Souza (PTB), Nancy Thame (PSDB), Osvaldo Schiavolin, Tozão (PSDB), Paulo Campos (PSD) e Wagner Oliveira (PHS).

FRENTE – A Câmara de Vereadores de Piracicaba articula a criação da Frente Parlamentar Regional Pró-Saúde, com o intuito de buscar apoio das 26 cidades que também são atendidas na rede municipal ligada ao SUS. O projeto de decreto legislativo 57/2017, da Mesa Diretora, deverá entrar na Pauta da Ordem do Dia na próxima semana.

Desde o início do ano, o Legislativo piracicabano tem se debruçado às questões relacionadas ao problema do atendimento na rede pública de saúde. Com a Frente Parlamentar, o assunto deve tomar maior coesão e, com isso, ampliar ainda mais o debate em torno dos problemas.

Por | 11/10/2017|
Carregar mais conteúdo