ICV-P tem variação positiva de 2,01%, em março

Publicado no dia 30/04/2017 às 10:55Por: Assessoria de Imprensa
O ICV-P (Índice de Confiança no Varejo de Piracicaba) correspondente a março subiu2,01% na comparação com o mês anterior (fevereiro), passando de 98,34 pontos para 100,32. Em sua decomposição: o ICA (Índice de Confiança Atual) observou uma queda de 2,36% e o ICF (Índice de Confiança Futura) obteve resultado positivo de 1,93%.
SEGMENTOS – Uma leitura mais aproximada sobre os resultados dos segmentos pesquisados no levantamento – que é realizado pela Ejea/Esalq (Empresa Junior de Economia e Administração), em parceria com a Acipi (Associação Comercial e Industrial de Piracicaba) – permite a observação de: um resultado menos otimista para o setor de Alimentação, puxado pelo desempenho do subíndice: Economia Futura, que teve uma retração de 4,46%; uma melhora no setor de Habitação, que recebeu um incremento de 6,58% no subíndice: Economia Futura; e uma perspectiva, também, positiva para o segmento de Vestuário, puxada pela variação positiva de 10,06% do quesito: Economia Atual.
“Na análise ampla do índice, podemos perceber que, gradualmente, os varejistas vêm mantendo o otimismo sobre o desempenho do setor. Isoladamente, é interessante verificar como cada segmento investigado se comporta. A Alimentação observou queda. Apesar de a inflação no País  vir apresentando quedas, mês a mês, os preços dos alimentos continuam (aliados a outros fatores) impactando as variações no Índice de Preços ao Consumidor (IPCA). Os outros setores analisados apresentaram resultados positivos: Higiene e Cuidados Especiais, Vestuário e Habitação. Talvez, a proximidade com o Dia das Mães e uma possível procura por presentes na data, como: itens de perfumaria e roupas, podem estar por trás do otimismo demonstrado pelos lojistas na aferição dos resultados dos setores envolvidos no levantamento”, comenta Paulo Roberto Checoli, presidente da Acipi.
ICV-P – O indicador tem o objetivo de divulgar aos empresários, setor público e sociedade as expectativas dos lojistas em relação à economia regional, ao segmento em que atuam e às suas próprias empresas. O cálculo do índice passou por mudanças em sua metodologia e, para uma análise mais elaborada sobre o setor varejista de Piracicaba, a pesquisa passou a apurar de maneira geral e segmentada as expectativas dos empresários.

Qual sua opinião? Comente!